Fala de secretário da Economia sobre socialismo é chamada de 'anacrônica' em evento da indústria

Além de classificar sistemas de controle como eSocial e Bloco K como ferramentas socialistas, Costa afirmou que o crescimento do país foi interrompido por políticas que queriam levar o país para o socialismo

Carlos Alexandre da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da EconomiaCarlos Alexandre da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia - Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

As afirmações do secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Alexandre da Costa, de que uma série de políticas públicas estavam transformando o Brasil em um país socialista foram alvo de críticas por parte de participantes do 5º Congresso Brasileiro da Indústria de Máquinas e Equipamentos.

Além de classificar sistemas de controle como eSocial e Bloco K como ferramentas socialistas, Costa afirmou que o crescimento do Brasil foi interrompido por políticas que queriam levar o país para o socialismo, entre o final de década de 1950 e início dos anos 1960, mas que se recuperou a partir dos governos militares. A partir dos anos 1980, segundo ele, iniciou-se um processo de crescimento do Estado, um excesso de centralização.

"A gente não pode ficar nessa disputa entre capitalismo versus socialismo dos anos 70", afirmou a economista Cristina Fróes de Borja Reis, pós-doutoranda na Technische Universität Berlin (Alemanha), que foi aplaudida pela plateia ao criticar a fala do secretário.

Leia também:
Incerteza da Economia cresce 2,7 pontos de agosto para setembro
Economia começou a reagir, mas há desafio das contas públicas, diz Guedes


"Capitalismo versus socialismo, que conversa bizarra, arcaica", disse o economista Paulo Rabello de Castro durante o debate.

No intervalo do encontro, pessoas que estavam na plateia classificaram o discurso de Costa como anacrônico e disseram que as ações apresentadas por ele passaram a impressão de que o Ministério da Economia não tem propostas de fato para ajudar na recuperação econômica do país.

Como o secretário fez uma apresentação inicial e deixou o local antes dos debates seguintes, não havia nenhum representante do governo para rebater as críticas dos presentes.

A política econômica atual, de redução do Estado e ajuste fiscal, foi outro alvo dos palestrantes.

"Não é só a macroeconomia que vai resolver o problema brasileiro. Precisamos de uma faísca que faça o país andar de novo. Vamos postergar esse ajuste fiscal por uns dois anos, pegar dinheiro do pré-sal e colocar em infraestrutura", afirmou José Ricardo Roriz Coelho, presidente da Abiplast (associação da indústria do plástico), que classificou como lenta a ação do governo na área econômica.

Júlio de Almeida, diretor-executivo do IEDI (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), afirmou que vários países voltaram a fazer política industrial e criticou o direcionamento atual de redução do tamanho do BNDES (banco estatal de desenvolvimento).

"O BNDES ainda é muito importante. O pessoal foi com muita sede ao pote em destruir o BNDES", afirmou.

Veja também

Ferreira Costa ganha unidade em Caruaru que vai gerar 550 empregos, entre diretos e indiretos
Home center

Ferreira Costa ganha unidade em Caruaru que vai gerar 550 empregos, entre diretos e indiretos

Guedes assina acordo para financiamento de exportações americanas que pode chegar a US$ 1 bi
Economia

Guedes assina acordo para financiamento de exportações americanas que pode chegar a US$ 1 bi