Fundos pedem destituição do Conselho de Administração da BRF

A correspondência foi protocolada neste sábado (24) e a BRF divulgou fato relevante ao mercado.

PetrobrasPetrobras - Foto: Reprodução/Fotos Públicas

Os fundos de pensão da Petrobras e do Banco do Brasil enviaram carta ao Conselho de Administração da BRF, líder do mercado de processamento de alimentos no país, pedindo realização de assembleia extraordinária para avaliar a destituição de todos os seus membros - a começar por Abilio Diniz, presidente do órgão desde 2013. A correspondência foi protocolada neste sábado (24) e a BRF divulgou fato relevante ao mercado.

O movimento é decorrente da aguda crise financeira da empresa, que registrou prejuízo de R$ 1,1 bilhão em 2017. Os fundos -Petros (Petrobras) e Previ (BB)- detêm mais de 20% do capital da empresa, e agora estão articulando votação em conjunto com fundos estrangeiros insatisfeitos com os resultados, como o britânico Aberdeen (5%). Com isso, a pressão para saída de Abilio e do fundo Tarpon (donos de cerca de 8% da BRF) cresce.

Abilio, que ainda não comentou o caso, tem oito dias para responder à convocação. Segundo a legislação, se não o fizer, os acionistas podem realizar a assembleia à sua revelia. Segundo se comenta na empresa, a relação dele com o Tarpon, seu aliado durante quase todo o período à frente da BRF, está fortemente estremecida.

Leia também
Petrobras diz esperar 'melhor resultado possível' com Pasadena
Petrobras pode ser privatizada no futuro, diz Alckmin


Em nota, a Petros disse que pediu a convocação de assembleia para deliberar sobre a destituição de todos seus membros e também sobre a aprovação do número de dez membros para compor o conselho. O fundo de pensão também pede a eleição de novos membros para ocuparem os cargos, incluindo os de presidente e de vice-presidente do conselho.

"No cumprimento do nosso dever fiduciário, somos movidos a agir em defesa dos interesses de nossos participantes. Somos investidores financeiros e estamos alinhados com os interesses dos demais acionistas", indica. "Precisamos buscar a reformulação da estratégia de gestão da BRF para, assim, superar os grandes desafios que a Companhia precisa enfrentar. Infelizmente, a estratégia implementada até o momento não surtiu os resultados desejados", destaca o diretor de investimentos da Petros, Daniel Lima.

Problemas
No ano passado, uma série de fatores ajudou a pressionar a BRF, tanto do ponto de vista de gestão quanto político. A empresa foi alvo da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, o que enfraqueceu uma posição já de exposição no mercado. Um ex-conselheiro foi preso pela Operação Lava Jato, dois outros são investigados sob acusação de serem infiltrados da rival JBS e o braço direito de Abilio na empresa teve de ser afastado por ter sido condenado em segunda instância em um caso de fraude não relacionado com a BRF.

Por fim, em agosto foi anunciada a saída do presidente da empresa desde 2015, Pedro Faria, que voltou para o Tarpon. Seu sucessor, José Drummond, apoiado por Abilio e pelo fundo, agora tem sua posição disputada. Só na sexta (23) a BRF perdeu 8,33% de seu valor de mercado na Bolsa devido à divulgação do prejuízo.

Em conferência naquele dia, Abilio disse ter sido "surpreendido" pelo mau resultado.
Além disso, conselheiros questionam a intensificação da relação da BRF com a rede de supermercados Carrefour, da qual Abilio é o terceiro maior acionista. Embora o Conselho Administrativo de Defesa Econômica tenha aprovado preliminarmente o acúmulo de posições nas duas empresas em 2015, há integrantes do conselho que veem conflito de interesses.

Veja também

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais
lei

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA