Governo revisa alta do PIB de 2019 de 0,81% para 0,85%

De acordo com o secretário, a economia será impulsionada por medidas como a liberação de saques do FGTS e a aprovação da reforma da Previdência

DinheiroDinheiro - Foto: Reprodução/Pixabay

O governo revisou a projeção de crescimento da atividade econômica brasileira neste ano de 0,81% para 0,85%. A nova estimativa foi divulgada pelo Ministério da Economia nesta terça-feira (10).

De acordo com os cálculos do governo, a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre teve leve piora, enquanto a expectativa para a alta no último trimestre foi ampliada, fazendo com que um período compense o outro.

Na avaliação do secretário especial de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, o governo espera que seja vista uma melhora na atividade econômica a partir deste mês.

"Agosto encerrou um período extremamente difícil da economia brasileira. A partir de setembro, vamos poder observar com mais consistência uma retomada, passo a passo, da economia brasileira", afirmou.

Leia também:
Mercado corta projeção de PIB para 2020 e reduz a da inflação em 2019
Começa nesta semana pagamento de R$ 500 por conta do FGTS


De acordo com o secretário, a economia será impulsionada por medidas como a liberação de saques do FGTS e a aprovação da reforma da Previdência, que está em fase de conclusão no Senado.

A leve revisão dos números para cima não reverte o cenário previsto inicialmente pelo governo. O Orçamento de 2019 foi elaborado no meio de 2018 pela gestão Michel Temer e trazia uma previsão de crescimento de 2,5%.

Em março deste ano, a gestão Bolsonaro cortou a projeção para 2,2%. Depois, fez novo corte em maio, para 1,6%, e mais uma revisão em julho, para 0,81%.

A avaliação do governo sobre o PIB é levada em consideração no fechamento das contas sobre o cumprimento da meta fiscal. Uma alta na previsão de crescimento pode indicar uma melhora da arrecadação e eventual liberação de recursos do
Orçamento.

Com as contas públicas estranguladas, o governo já bloqueou mais de R$ 30 bilhões das verbas de ministérios. Serviços públicos, como a liberação de bolsas de estudo e atividades da Polícia Federal, já começam a ser afetados.

De acordo com Sachsida, ainda não é possível afirmar se a melhora nas projeções divulgadas nesta terça permitirá uma liberação de espaço no Orçamento deste ano para que recursos sejam recompostos aos ministérios. Uma nova avaliação das contas do governo será apresentada na próxima semana.

"A estimativa de crescimento é apenas uma parte do processo. Já informamos essa taxa, esse documento vai para Secretaria de Orçamento e a Receita Federal. Com base nas contas desses órgãos, é decidido se vai diminuir ou não o contingenciamento", afirmou.

Veja também

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro
bolsa família

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro

Ações do Carrefour caem mais de 5% após assassinato de homem negro
Beto Freitas

Ações do Carrefour caem mais de 5%