Governo tem déficit de R$ 80,3 bilhões até novembro e deve fechar ano dentro da meta fiscal

O resultado, divulgado pelo Tesouro Nacional nesta sexta (27), é o quarto pior para o período na série histórica iniciada em 1997

Paulo Guedes, ministro da economiaPaulo Guedes, ministro da economia - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

As contas do governo central (que incluem Tesouro, Previdência Social e Banco Central) acumularam um déficit de R$ 80,331 bilhões nos primeiro onze meses do ano. O resultado, divulgado pelo Tesouro Nacional nesta sexta-feira (27), é o quarto pior para o período na série histórica iniciada em 1997 (considerando valores atualizados pela inflação).

Apesar disso, o déficit teve retração real de 12,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Um ano atrás, o resultado havia ficado negativo em R$ 88,474 bilhões. Considerando somente o mês de novembro, o saldo ficou negativo em R$ 16,4 bilhões. O resultado representa uma retração real de 1,6% em relação ao mesmo mês do ano passado.

A conta do sistema previdenciário continua como a principal responsável pelo rombo. No acumulado do ano, Tesouro e Banco Central registraram superávit somado de R$ 120,73 bilhões, enquanto a Previdência teve déficit de R$ 201,062 bilhões. A meta fiscal estabelecida para governo central no encerramento deste ano é um déficit de R$ 139 bilhões. Até novembro, o resultado acumulado em 12 meses está negativo em R$ 113,4 bilhões, ainda abaixo do limite.

O Tesouro afirma que a perspectiva é que o ano termine com um déficit primário abaixo das metas estabelecidas. Entre os motivos para o resultado melhor que o esperado estão os leilões de petróleo, em especial o leilão de excedentes do pré-sal. Também contribuirão para um resultado melhor o chamado empoçamento (recursos não usados pelos ministérios), além do atraso na entrada de estados no regime de recuperação fiscal e do resultado melhor de estatais.

Leia também:
Reforma da Previdência já foi aprovada em dez estados; Pernambuco é um desses
Retrospectiva: relembre fatos que marcaram a economia em 2019
Recuperação do comércio no final do ano puxa melhora do emprego

Segundo o Tesouro, os fatores devem levar a um resultado primário negativo entre R$ 60 bilhões e R$ 80 bilhões para o setor público consolidado no fim do ano (de uma meta de déficit de R$ 132 bilhões).

Apesar das promessas do ministro Paulo Guedes (Economia) durante a campanha eleitoral de zerar o déficit, o Tesouro acredita que o governo central só terá um resultado no azul em 2022 ou 2023.

Veja também

Justiça apreende templos da Igreja Universal em Angola
África

Justiça apreende templos da Igreja Universal em Angola

Em casa na pandemia, quarentenados esquecem sutiãs e cuecas
Quarentena

Em casa, quarentenados esquecem sutiãs e cuecas