Governo vende apenas 1 de 5 áreas em novo leilão pré-sal

Mais uma vez, Petrobras e chineses foram os únicos a apresentar ofertas

Exploração de petróleoExploração de petróleo - Foto: Geraldo Falcão/Petrobrás

Em mais um leilão sem concorrência, o governo vendeu apenas uma das cinco áreas do pré-sal oferecidas nesta quinta-feira (7). Mais uma vez, Petrobras e chineses foram os únicos a apresentar ofertas.

Leia também:
ANP faz hoje 3º leilão do ano e pode arrecadar mais R$ 7,8 bi em bônus
Governo vai apoiar fim de preferência da Petrobras no pré-sal

Eles arremataram a maior área do leilão, chamada Aram, com bônus de R$ 5 bilhões e oferta de 29,96% do petróleo produzido para o governo, após o desconto dos custos. Não houve ágio.

Nos leilões do pré-sal, os bônus de assinatura são fixos e a disputa se dá pelo volume de óleo que os consórcios se comprometem a entregar ao governo durante a vida útil dos projetos.

O consórcio vencedor tem 80% da estatal brasileira e 20% da CNODC, controlada pelo governo da China. Na véspera, eles se juntaram à também chinesa CNOOC para comprar a maior área do megaleilão da cessão onerosa, por R$ 69,9 bilhões.

No leilão de quarta, a Petrobras arrematou sozinha outra área, Itapu, por R$ 1,7 bilhão. Não houve ágio em nenhum dos casos. A Petrobras havia exercido direito de preferência para três das cinco áreas do leilão desta quinta, mas acabou fazendo oferta para apenas uma delas, frustrando expectativa do governo.

Antes do leilão, o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, afirmou que as petroleiras estão com a carteira cheia de projetos do pré-sal e devem focar agora na exploração e desenvolvimento das reservas.

Veja também

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros
Negócios

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda
LUTO

Missa de Sétimo Dia de Luciano Fernandes de Albuquerque será nesta segunda