Guedes pede redução de questionário do Censo para execução de pesquisa

Ministro ainda voltou a defender as privatizações para amortizar o peso dos juros da dívida no orçamento

O ministro da Economia, Paulo GuedesO ministro da Economia, Paulo Guedes - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu nesta sexta-feira (22) a redução do questionário do Censo para superar a falta de recursos para a principal pesquisa demográfica do país. A declaração foi dada durante cerimônia de posse da nova presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, órgão responsável pelo levantamento decenal. O Censo não tem recursos orçamentários garantidos.

"Vamos tentar, pelo amor de Deus, simplificar. O Censo dos países ricos tem dez perguntas, o Censo brasileiro tem 150, e o censo do Burundi tem 360. Se perguntar demais você vai acabar descobrindo coisas que nem queria saber. Sejamos espartanos, façamos as coisas mais compactas e vamos tentar de toda forma ajudar", disse Guedes na sede do IBGE, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro.

O ministro também criticou o fato do órgão ter seus funcionários espalhados por seis prédios na cidade. Ele pediu para que o IBGE venda suas sedes para obter recursos para realizar o Censo. "Tem um enigma ainda não resolvido por vários economistas que já passaram por aqui. São três sedes, seis prédios. Não tem dinheiro para o Censo, mas o presidente fica de frente para o Pão de Açúcar, a diretoria fica no centro, e a turma da ralação fica aqui [na Tijuca]", disse ele.

Leia também:
Desemprego cai em 18 estados e no Distrito Federal, diz IBGE
IBGE retoma testes piloto do Censo Demográfico de 2020
Setor de serviços fecha 2018 com queda de 0,1%, diz IBGE
Guedes indica economista do Banco Mundial para presidência do IBGE


A nova presidente do IBGE saiu da posse sem falar com a imprensa. Em seu discurso, ela destacou o fato do órgão ter modernizado o Censo, que foi digitalizado em 2010. 

Guedes voltou a defender as privatizações para amortizar o peso dos juros da dívida no orçamento, além de melhorar a prestação de serviços. "Lembrem-se que telefone era meio de luxo. Privatizamos e entregador de pizza, todo mundo hoje tem telefone. Prostituta... Todo mundo marca seus programas pelos meios digitais. É progresso para todo mundo", afirmou ele.

Ele afirmou também estar otimista com a aprovação da reforma da Previdência no primeiro semestre deste ano. "Tenho experimentada Brasília com ventos de otimismo. Os poderes constituídos querem trabalhar juntos", disse.

Veja também

Setor de alimentação tem regras para reabrir
Coronavírus

Pernambuco divulga regras para reabertura do setor de alimentação

Ministério do Trabalho abre apuração após casos da Covid-19 em frigoríficos do Mato Grosso
Pandemia

Ministério do Trabalho abre apuração após casos da Covid-19 em frigoríficos do Mato Grosso