Mercado mantém previsão do PIB em 2019 e reduz inflação pela 7ª vez

As estimativas para os anos seguintes também não foram alteradas: 2%, em 2020; e 2,50%, em 2021 e 2022

DinheiroDinheiro - Foto: Reprodução/Pixabay

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central mantiveram a previsão de crescimento da economia e reduziram, pela sétima vez seguida, a estimativa para a inflação neste ano. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com pesquisa do BC ao mercado financeiro, a expectativa de expansão do  Produto Interno Bruto (PIB) foi mantida em 0,87% em 2019. As estimativas para os anos seguintes também não foram alteradas: 2%, em 2020; e 2,50%, em 2021 e 2022.

Já a previsão para a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), passou de 3,45% para 3,44%, em 2019. Para 2020, foi mantida em 3,80%. A previsão para os anos seguintes também não teve alterações: 3,75%, em 2021, e 3,50%, em 2022.

As estimativas para 2019 e o próximo ano estão abaixo das metas de inflação, definidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que são de 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5
ponto percentual para cima ou para baixo.

Leia também:
Mercado espera que inflação de 2019 seja de 3,44%
Mercado vai valorizar mais comunicação do que capacidade técnica


O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, a Selic. Para o mercado financeiro, a Selic deve terminar 2019 em 5% ao ano. Na última semana, o Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, reduziu a Selic de 6% para 5,5% ao ano.

A expectativa do mercado é que Selic voltará a ser reduzida em 0,5 ponto percentual em outubro e permanecerá em 5% ao ano na última reunião do ano marcada para dezembro.

O mercado não espera por alteração na Selic em 2020, com a taxa permanecendo em 5% ao ano. Para 2021, a expectativa é que a Selic termine o período em 6,75% ao ano. Na semana passada, a previsão era 7% ao ano. Para o fim de 2022, a expectativa é que a taxa chegue a 7% ao ano.

Já a previsão para a cotação do dólar ao fim deste ano subiu de R$ 3,90 para R$ 3,95 e, para 2020, foi mantida em R$ 3,90.

Veja também

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia
Urânio

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido
Negócios

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido