Millennials e o futuro

Os millennials projetam relações mais curtas, tanto como força de trabalho quanto como consumidores

Os millenials são pessoas nascidas entre janeiro de 1983 e dezembro de 1994. Os millenials são pessoas nascidas entre janeiro de 1983 e dezembro de 1994.  - Foto: Pixabay.

Vamos refletir um pouco de como pensam os chamados millenials (nascidos entre janeiro de 1983 e dezembro de 1994) e os da geração Z (nascidos entre janeiro de 1995 e dezembro 2002) de 10 países, entre eles, o Brasil. E como isto refletirá nas Relações Interpessoais, Internacionais e na Diplomacia futura.

Vejam que apesar de um cenário econômico global favorável e de novas oportunidades, os jovens entrevistados se mostraram inquietos e pessimistas sobre o futuro. Confirmando a tendência dos últimos anos, há uma falta de confiança crescente em instituições como governo, meios de comunicação e negócios.

Os millennials projetam relações mais curtas, tanto como força de trabalho quanto como
consumidores – 49% dos jovens entrevistados afirmam ter intenção de mudar de emprego nos próximos dois anos. Um ano atrás, esse número era de 37%.

O levantamento indica também que a relação com as mídias sociais ainda é ambígua e há uma preocupação crescente sobre a privacidade dos dados. Mais da metade dos entrevistados acredita que é preciso haver um esforço maior para proteger informações pessoais e reforçar a segurança online.

Vejo com um grau de preocupação estas tendências que se acentuam ao longo dos anos.

Somado a estas questões, temos tido um aumento alarmante nas doenças mentais como a depressão e, como consequência, o suicídio.

A base das Relações Internacionais e a Diplomacia sempre será nas pessoas, no SER HUMANO e na forma como ele reage em seu entorno.

Como serão conduzidas a Diplomacia e as Relações Internacionais? Fica aqui um convite à reflexão....

Veja também

Governo prepara MP para pagar 100 milhões de doses da vacina de Oxford
Coronavírus

Brasil deve pagar 100 milhões de doses da vacina de Oxford

Lucro do Itaú cai pela metade no 2º tri com novo aumento de reserva contra calote
bancos

Lucro do Itaú cai pela metade no 2º tri com novo aumento de reserva contra calote