Ministro da Fazenda culpa agricultura por estabilidade do PIB no 3º tri

"O crescimento do PIB entre julho e setembro, de 0,1% contra o trimestre anterior, pode parecer baixo, mas é forte se analisado por setores. Sem a agricultura, que caiu por razões sazonais, o crescimento foi de 1,1%", declarou em rede social

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles  - Foto: Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (1º) em rede social que a alta do PIB entre julho e setembro, de 0,1%, "pode parecer" baixa, mas que é forte sem a agricultura, que caiu por razões típicas do período. A alta de 0,1% veio abaixo da esperada pelo mercado, que apostava em um crescimento de 0,3%.

Leia também
PIB cresce 0,1% no 3º trimestre e chega a R$ 1,641 trilhão
Investimento vai substituir consumo como motor do PIB global
PIB caiu 3,5% em todos os estados em 2015, diz IBGE

"O crescimento do PIB entre julho e setembro, de 0,1% contra o trimestre anterior, pode parecer baixo, mas é forte se analisado por setores. Sem a agricultura, que caiu por razões sazonais, o crescimento foi de 1,1%", declarou o ministro em rede social.

Ele destacou que a produção industrial avançou 0,8% no terceiro trimestre, com destaque para a indústria de transformação, que cresceu 1,4% no período.
"O avanço acumulado no ano até setembro é de 0,6%, número que já supera a previsão inicial dos economistas para 2017. Isto mostra que o Brasil segue uma trajetória de crescimento", escreveu.

Ele destacou ainda que o investimento teve crescimento de 1,6% no terceiro trimestre. "Foi o primeiro resultado positivo após 15 trimestres seguidos de queda. O avanço mostra otimismo em relação ao futuro".

No primeiro trimestre, a economia brasileira interrompeu a sequência de oito quedas e cresceu 1,3% do PIB, favorecida pela forte safra agrícola. O principal fator para o resultado positivo no primeiro trimestre foi o desempenho do setor agropecuário, que cresceu 13,4% no período, embalado por safras recordes de grãos.

Bandeira do Brasil
Meirelles, apontado como candidato a presidente nas eleições de 2018, vem sofisticando sua comunicação nas redes sociais, com a publicação de vídeos de seus compromissos e fotos com frases sobre a economia.

Nesta sexta, publicou um gráfico com a comparação do desempenho do PIB entre o terceiro trimestre deste ano e os mesmos períodos de 2015 e 2016, quando a economia caiu 1,6% e 0,8%, respectivamente. No quadro, abaixo do nome do ministro, está uma bandeira do Brasil.

Alta de 1% em 2017

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, também comentou o desempenho do PIB em rede social. De acordo com ele, se o ritmo atual de expansão da economia for mantido, o PIB subirá 1% em 2017 -a estimativa oficial de crescimento hoje é de 0,5%, e o Banco Central projeta alta de 0,7%.

"Dados do terceiro trimestre mostram que a recuperação da economia está consolidada com o crescimento do consumo das famílias (+4,8%) e do investimento (+6,7%)", disse Oliveira. "Pela primeira vez após quatro anos, os dois principais componentes da demanda, consumo das famílias e investimento, registram crescimento positivo no mesmo trimestre".

Ele destacou que a indústria de transformação, as exportações e o comércio tiveram o terceiro trimestre consecutivo de crescimento. "Isso significa uma expansão gradual e continuada desses setores". Oliveira disse ainda que o PIB só não foi melhor pelo crescimento das importações. "O que não deixa de ser boa notícia, pois confirma que a economia doméstica está mais aquecida e é mais um sinal de retomada".

O ministro do Planejamento ainda lembrou a necessidade de reformas. "A trajetória positiva do PIB para os próximos trimestres mostra a necessidade de aprovação das reformas, principalmente a da Previdência, para tornar o crescimento sustentável."

Veja também

Funcionários tentam derrubar MP que permite privatização de subsidiárias da Caixa
governo

Funcionários tentam derrubar MP que permite privatização de subsidiárias da Caixa

Retorno da Feira da Sulanca de Caruaru contou com fiscalização, testagem e distribuição de EPI
Caruaru

Retorno da Feira da Sulanca de Caruaru contou com fiscalização, testagem e distribuição de EPI