Nestlé diz estar 'razoavelmente otimista' com cenário brasileiro

A Nestlé anuncia nesta quinta-feira investimentos de R$ 270 milhões na inauguração de uma nova fábrica da marca Purina

Marca NestléMarca Nestlé - Foto: Reprodução/ Internet

Em visita ao Brasil para anunciar um novo investimento da Nestlé no país, Laurent Freixe, vice-presidente global da companhia e chefe das operações da Nestlé no continente americano, diz estar otimista em relação à retomada da economia brasileira, mas realista de que vai levar alguma tempo.

O executivo diz acreditar que 2017 será melhor que o ano passado.

"Após dois anos de recessão no Brasil, alta na inflação e impacto no crescimento, estamos vendo estabilização na economia e alguma melhora na confiança do consumidor, estabilização na moeda e na inflação", diz Freixe.

Ele reconhece que ainda há incertezas na política, mas afirma que a operação brasileira não perdeu importância em relação aos outros mercados na região.

"Não sou um analista político, mas vejo a situação mais estável, com a confiança voltando. É claro que ainda há um cenário nebuloso, assim como na economia e na política global, mas estamos razoavelmente otimistas, com cautela, em relação ao cenário brasileiro."

A Nestlé anuncia nesta quinta-feira (2) investimentos de R$ 270 milhões na inauguração de uma nova fábrica da marca Purina, de alimentos para animais, em Ribeirão Preto (SP), onde a companhia já tem outras instalações fabris há 44 anos.

A fábrica que já existia na cidade produzia apenas a linha seca de rações, mas a nova unidade passará a produzir alimentos úmidos para cães e gatos.

Segundo a Nestlé, a nova unidade vai gerar aproximadamente 80 novos postos diretos de trabalho e a expectativa é dobrar o consumo de alimentos úmidos para os animais de estimação no país.

Anderson Duarte, diretor-presidente da Nestlé Purina no Brasil, afirma que a categoria de alimentos úmidos para animais de estimação ainda tem baixa penetração no mercado brasileiro e, portanto, muito espaço para crescer, embora a crise tenha reduzido as taxas de crescimento neste setor nos últimos anos.

"A categoria, como todas as outras, sofre com um contexto econômico mais complexo, como o que o Brasil vem vivendo nos últimos três anos. Por outro lado, ela também é resiliente. Há uma desaceleração na taxa de crescimento nesse contexto de crise no país, mas a categoria seguiu crescendo em 2015 e 2016 e deve voltar a crescer dois dígitos em 2017", diz Duarte.

Apesar da desaceleração, Freixe afirma que a crise brasileira não tirou a importância do país em relação aos outros mercados onde a Nestlé opera.

"É verdade que a desvalorização do real traz um impacto, mas a maior parte das moedas na América Latina também se desvalorizaram. O peso do Brasil na região se manteve e ele permanece como o maior. O Brasil é o nosso quarto maior mercado no mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China e França, apesar da desvalorização do real", diz Freixe.

Veja também

Doze fornecedores do Carrefour anunciam aliança em defesa da diversidade racial
Beto Freitas

Doze fornecedores do Carrefour anunciam aliança em defesa da diversidade racial

Dólar sobe para R$ 5,43, com cenário externo
BOLSA DE VALORES

Dólar sobe para R$ 5,43, com cenário externo