Nubank, OLX, Uber e Netflix: evento em SP debate experiência do consumidor digital

Encontro internacional promovido pela Zendesk aborda temas como atendimento em múltiplos canais e a importância de colocar o consumidor como foco

Clayton da Silva, diretor sênior para as Américas de Consultoria de Soluções da ZendeskClayton da Silva, diretor sênior para as Américas de Consultoria de Soluções da Zendesk - Foto: Divulgação/Zendesk

“A senhora pode informar seu CPF?” Nesta época em que não se compra mais apenas produtos e serviços, mas a experiência do consumidor, a pergunta acima se tornou símbolo de uma frustração recorrente no mundo todo. Para debater o tema, foi realizado nesta quarta-feira (1º) o "Zendesk Presents: o futuro da experiência do cliente”, em São Paulo.

Entre os palestrantes, estiveram dirigentes de empresas inovadoras como Netflix, OLX, Loggi e Nubank, além de outras mais tradicionais que abraçaram o digital. O evento é organizado em diversos países pela Zendesk, empresa fundada na Dinamarca em 2007 que produz uma plataforma de atendimento ao consumidor e engajamento usada por seis mil empresas no Brasil, 12 mil na América Latina e 130 mil no mundo. Entre os clientes mais populares, estão as disruptivas Netflix, AirBnb, OLX e Uber.

A versão brasileira do encontro recebeu aproximadamente 1.700 pessoas no WTC Golden Hall, com estandes variados. No palco, palestras silenciosas: duas apresentações simultâneas por vez - a plateia escolhia qual delas queria ouvir por um dispositivo com opção de tradução em inglês e português.

Encontro promovido pela Zendesk em São Paulo

Encontro promovido pela Zendesk em São Paulo - Foto: Divulgação/Zendesk

Cliente no centro
Um levantamento do Gartner Group mostra que, em 2020, 89% das empresas iriam usar a experiência do consumidor (CX) como diferencial competitivo. “Mas isso já é uma realidade. Então, a gente precisa ter foco nas pessoas, treinar os agentes e melhorar os processos. A tecnologia vem por último”, define Clayton da Silva, diretor sênior para as Américas de Consultoria de Soluções da Zendesk. A tecnologia, segundo ele, deve servir para empoderar a equipe humana, única capaz de ter empatia e criatividade.

Pesquisa
Durante o evento, foi divulgado o resultado de uma pesquisa feita pela própria Zendesk entre seus 37 mil clientes. De acordo com o levantamento, entre os 14 países que têm mais empresas investindo em atendimento por múltiplos canais - omnichannel -, o Brasil fica em décimo lugar.

Um dos problemas apontados é que as empresas “adicionaram mais canais, mas não integraram a comunicação; elas quebram o fluxo”, explica Tom Keiser, diretor de operações da Zendesk. Ou seja: se você inicia um atendimento por chat e, se depois resolve mudar para o telefone, vai precisar contar toda a história de novo e repetir seus dados.

Leia também:
WhatsApp já pode fazer chamadas simultâneas de video


A lista mostra Estados Unidos, Austrália e Canadá entre os países que oferecem mais opções de integração entre os canais de relacionamento com os clientes. No Brasil, foram analisadas 2.000 empresas e 3,5% adotaram suporte omnichannel. Destacam-se os setores de finanças e varejo, que conseguem integrar, em média, quatro canais de comunicação. As áreas que estão piores no ranking brasileiro são hotelaria e consultoria, com três canais em média.

Ainda segundo a pesquisa da Zendesk, os canais mais utilizados no Brasil são e-mail, site, telefone, API, chat, Twitter, Facebook, celular e SMS. Clayton explica que a expectativa de tempo de resposta das pessoas que mandam e-mail é de 4 a 8 horas. Por Facebook messenger, 2 a 4 horas. Já no Twitter o tempo cai para 30 a 60 minutos. “O consumidor está fazendo valer a sua voz. Como criar um fluxo para atender a essa nova demanda?”

* A jornalista viajou a convite da Zendesk

Veja também

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento
Nova rotina

Brasileiro de alta renda busca imóvel grande por conforto no confinamento

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'
Pandemia

Bolsonaro liga para empresária que chamou fechamento de loja de ato da 'ditadura'