Pernambuco decide não adotar reajuste de 17,08% no preço do gás natural

O aumento de 17,08% no preço do gás natural é o resultado do percentual acumulado do segundo reajuste repassado pela Petrobrás de 11,7%, previsto para o próximo mês de agosto, e do aumento de 4,8%, do último mês maio

CopergásCopergás - Foto: reprodução/internet

O governador Paulo Câmara decidiu não adotar em Pernambuco o aumento de 17,08% no preço do Gás Natural repassado pela Petrobras à Companhia Pernambucana de Gás (Copergás). A medida foi anunciada nesta quinta-feira (19) durante reunião com o presidente da Federação de Indústrias de Pernambuco (Fiepe), Ricardo Essinger;  secretário de Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação Profissional, Alexandre Valença; o presidente da Copergás, Roberto Fontelles; e o diretor de regulação da Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe), Fred Maranhão.

De acordo com o governo, a decisão foi amparada por estudos técnicos realizados pela Arpe. O aumento de 17,08% é resultado do percentual acumulado do segundo reajuste repassado pela Petrobrás de 11,7%, previsto para o próximo mês de agosto, e do aumento de 4,8%, do último mês de maio.

Segundo Paulo Câmara, o reajuste não considera o impacto dos aumentos abusivos sobre a economia do País. Para ele, o aumento no preço do gás natural não leva em consideração os empregos criados pelas indústrias instaladas em Pernambuco porque, caso o reajuste fosse repassado ao consumidor, elas teriam a competitividade reduzida, já que mais de 90% do gás natural distribuído pela Copergás é destinado ao setor industrial do Estado.

Leia também
Desabastecimento aumenta demanda por instalação de gás natural veicular
Programa incentiva gás natural


Para o presidente de Fiepe, Ricardo Essinger, o anúncio do governador Paulo Câmara de não repassar os reajustes foi um alívio porque o setor precisa dar condições para que a indústria continue gerando emprego.

O diretor de regulação da Arpe, Fred Maranhão, explicou que o contrato entre a Copergás e a Petrobrás prevê uma política de reajuste no preço do GN de três em três meses. No dia 1º de maio, a Arpe recebeu um aviso para o aumento de 4,8% do produto e, para o próximo dia 1º de agosto, um reajuste de 11,7%. Maranhão disse ainda que os aumentos não foram repassados para o consumidor pernambucano, pois os estudos da agência demonstraram que a rentabilidade da Copergás não ficará abaixo do mínimo contratualmente estabelecido.

Veja também

TCU recomenda que governo use sobra do orçamento do Bolsa Família apenas na área social
Brasil

TCU recomenda que governo use sobra do orçamento do Bolsa Família apenas na área social

Câmara aprova urgência para projeto sobre trabalho em apps de delivery
delivery

Câmara aprova urgência para projeto sobre trabalho em apps de delivery