Petrobras diz esperar 'melhor resultado possível' com Pasadena

Apesar da investigação na Operação Lava Jato, o presidente da Petrobras espera uma boa venda com a venda da Refinaria

Presidente da Petrobras, Pedro ParentePresidente da Petrobras, Pedro Parente - Foto: Agência Brasil/Arquivo

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse nesta quarta (7) que espera "o melhor resultado possível" com a venda da polêmica refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, que é alvo da Operação Lava Jato e de organizações ambientalistas americanas.

Leia também:

Cade aprova venda da Petroquímica Suape

A estatal abriu na terça (6) o processo de venda da unidade, que lhe rendeu prejuízos bilionários desde sua aquisição, em 2006. No mercado, há dúvidas sobre o real valor da refinaria, diante do elevado passivo ambiental e da necessidade de investimentos em modernização.

"É muito cedo para antecipar qualquer avaliação sobre Pasadena. Até porque, isso pode influir no processo", afirmou Parente, em encontro com a imprensa no Rio. As propostas finais pela unidade devem ser entregues no dia.

Em 2006, a Petrobras pagou US$ 360 milhões por 50% das ações da refinaria, quase oito vezes mais do que os US$ 42 milhões que a belga Astra havia desembolsado um ano antes para ter 100% do capital.

Após disputa judicial com a ex-sócia, a estatal brasileira acabou pagando US$ 1,2 bilhão para ficar com todas as ações.

Parente disse que há indicações de interesse do mercado por um terreno adjacente à refinaria, que seria usada para a sua expansão e também está incluída no pacote posto à venda pela Petrobras.

O terreno tem 143 acres e acesso ao canal marítimo de Houston, que concentra parcela importante da indústria de refino e petroquímica dos Estados Unidos. Segundo o presidente da Petrobras, o acesso ao canal confere ao terreno um "grande valor".

A venda da refinaria de Pasadena faz parte do plano de desinvestimentos da empresa, que tem como meta arrecadar US$ 21 bilhões no biênio entre 2017 e 2018.

Veja também

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia
Urânio

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido
Negócios

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido