Petroleiros comemoram suspensão de processos de parceria em refino

Processos competitivos, divulgados em abril, compreendem a alienação de 60% de algumas refinarias, dentre elas a Abreu e Lima, em Pernambuco

Refinaria Abreu e LimaRefinaria Abreu e Lima - Foto: Divulgação

Reunidos em ato justamente contra o processo de venda da Petrobras e a atual política de preços dos combustíveis adotada pela atual gestão, nessa terça (3), na Refinaria Landulpho, na Bahia, os petroleiros comemoraram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e a suspensão do processo por parte da Petrobras. “Recebemos essa notícia com bastante otimismo, pois acreditamos que o freio estabelecido pelo STF mostra que a nossa luta está no caminho certo em defesa das riquezas do povo brasileiro e da soberania nacional”, diz o coordenador-Geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Simão Zanardi.

Um dia após o término do prazo que prorrogou do dia 18 de junho para 2 de julho o tempo para que outras empresas, além das cinco já confirmadas, pudessem manifestar interesse na aquisição de 60% dos ativos na área de refino da Petrobras, sem novos interessados, a estatal suspendeu o processo competitivo que incluia, além da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, as refinarias Alberto Pasqualini, no Rio Grande do Sul, e Presidente Getúlio Vargas, no Pará, e a Landulpho Alves, na Bahia. Além das áreas de refino, também estão suspensos o desinvestimento da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados S.A e da Transportadora Associada de Gás (TAG).

Em comunicado, a Petrobras alegou que a suspensão foi influenciada pela decisão cautelar proferida pelo Ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que proibiu o governo de privatizar empresas públicas sem autorização do Legislativo. Se teve ou não a ver com a ausência de novos interessados, o fato é que a suspensão agradou os petroleiros que são contra ao processo de desinvestimento da estatal.

Para o coordenador do Sindicato dos Petroleiros de Pernambuco e Paraíba (Sindipetro-PE/PB), Rogério Almeida, presente também no ato na Bahia, a decisão do STF valida que a justiça está a favor do povo brasileiro.“A gente está comemorando essa suspensão, mas se mantém mobilizado para conversar e manter os atos contra esse modelo de privatização adotado pela Petrobras”, comenta o coordenador. Segundo ele, mesmo com a suspensão, a categoria deve bater o martelo no próximo dia 18 de julho sobre a greve por tempo indeterminado que vem sendo “costurada” desde antes da paralisação dos caminhoneiros, em maio. “Nossa luta continua, afinal, essa suspensão é temporária, não definitiva”, reforça Almeida.

Veja também

Etanol vendido pelas usinas pode aumentar concorrência, diz Bolsonaro
Etanol

Etanol vendido pelas usinas pode aumentar concorrência, diz Bolsonaro

Governo vai lançar programa para regularizar escritura de moradias
Moradia

Governo lançará programa para regularizar escritura de moradias