Pobreza e desemprego dificultam a Agenda 2030, aponta Cepal

A pobreza aumenta desde 2015 na América Latina e no Caribe, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal)

Comunidade pobre vizinha ao rio TejipióComunidade pobre vizinha ao rio Tejipió - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

A pobreza aumenta desde 2015 na América Latina e no Caribe, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal). Em 2017, mais de 187 milhões de pessoas ainda viviam na pobreza, ao passo que 62 milhões encontravam-se em condições de pobreza extrema. A situação mantém a região como a mais desigual do mundo.

Já o número de desempregados chegou a 22,8 milhões em 2017. As mulheres são as mais atingidas. Em 2016, a taxa de desemprego urbano foi de 7,9% no caso dos homens e 10,2% no das mulheres. Grupos como indígenas e afrodescentendes também sofrem com o desemprego e com limitações impostas pela discriminação, diz a Cepal.

Os dados constam do relatório Segundo Informe Anual sobre el Progreso y los Desafíos Regionales de la Agenda 2030 para el Desarrollo Sostenible en América Latina y el Caribe link 1 e foram apresentados nesta quarta-feira (18), durante o Fórum dos Países da América Latina e do Caribe sobre o Desenvolvimento Sustentável.

Leia também:
CGU aponta risco de sustentabilidade na transposição do São Francisco
Desemprego chega a 12,6% e Brasil tem 13,1 mi de desocupados


O encontro, que ocorre na sede da Cepal, no Chile, reúne representantes de governos, instituições internacionais, setor privado, academia e da sociedade civil para discutir a implementação da Agenda 2030 na região. Iniciada hoje, a reunião seguirá até a próxima sexta-feira (20).

Objetivos

A agenda foi adotada em 2015 e sintetiza os chamados Objetivos pelo Desenvolvimento Sustentável (ODS), metas que devem orientar políticas nacionais e atividades de cooperação internacional no caso dos 193 países que a subscreveram. Ao todo, são 169 objetivos, entre os quais erradicação da pobreza, redução das desigualdades, igualdade de gênero, adoção de padrões sustentáveis de produção e de consumo, garantia de cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres e crescimento econômico inclusivo.

O prazo para o que a Cepal considera uma agenda de transformação civilizatória, contudo, pode não ser suficiente para que a mudança ocorra. “Nos próximos anos, com as incertezas que ainda existem acerca do desempenho da economía mundial e à luz do baixo dinamisno recente da região (as taxas de crescimento se situam em torno de 1%), o desafio de cumprir com os objetivos do desenvolvimento sustentável se torna mais difícil”, destaca o relatório.

Diante dessa situação, a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, alerta que é preciso combater a desigualdade. “A desigualdade é o rosto dos privilégios. A cultura do privilégio é o que faz e naturaliza a desigualdade. E isso é o que tem que ser rompido”, disse na abertura da reunião multilateral.

Bárcena apontou que é preciso que os Estados desenvolvam políticas que contribuam para a concretização dos objetivos. “A única cifra de pobreza aceitável é zero, isso é o que diz a Agenda 2030”, disse. O relatório da Cepal aponta, nesse sentido, que devem ser desenvolvidas “importantes iniciativas nas áreas de arrecadação, redistribuição, fortalecimento de instituições e inovação em políticas públicas para atuar no campo social”.

Crise ambiental

Quanto à questão ambiental, a Cepal aponta que, desde a metade do século XX, o número de eventos extremos relacionados à mudança climática cresceu de forma constante. Na reunião desta quarta-feira (18), os participantes destacaram que as mudanças climáticas têm favorecido a ocorrência de eventos extremos, como temperaturas extremas, inundações, deslizamentos, incêndios e tempestades, os quais atingiram cerca de 160 mil pessoas nos últimos anos.


“O impacto desses eventos na população não é homogêneo. Por exemplo, estima-se que a perda econômica para a população que vive na pobreza é duas a três vezes maior do que para aqueles que não são pobres”, alerta o relatório da organização. Diante desses fatos, a Cepal defende políticas estruturais de adaptação e o estímulo ao crescimento pautado pelo baixo uso de carbono.

 

Veja também

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia
Urânio

Brasil retoma da produção de urânio na Bahia

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido
Negócios

Facebook vai pagar por notícias no Reino Unido