Rota 2030 viabiliza investimento na Fábrica da Jeep de Goiana

Com a aprovação do regime tributário da indústria automotiva, a FCA confirma a expansão das plantas de Minas e Pernambuco, orçada em R$ 14 bilhões. Em Goiana, plano deve gerar até 10 mil novos empregos

Fábrica da Jeep em GoianaFábrica da Jeep em Goiana - Foto: Peu Ricardo/Arquivo Folha

A aprovação do Rota 2030, programa tributário da indústria automotiva que foi regulamentado e está prestes a ser sancionado pelo presidente Michel Temer, vai viabilizar a realização de novos investimentos na produção nacional de veículos. E a Fábrica da Jeep de Goiana será uma das grandes beneficiadas. Segundo a Fiat Chrysler Automobiles (FCA), a medida confirma o plano de negócios que prevê o investimento de R$ 14 bilhões entre as plantas de Pernambuco e Minas Gerais nos próximos cinco anos. O Rota 2030 viabiliza, então, o projeto de ampliar a capacidade de produção e construir o segundo parque de fornecedores de Goiana - empreendimento que pode gerar até 10 mil novos empregos na região.

Leia também:
Vai à sanção presidencial texto que dá isenção tributária a montadoras
Jeep lidera vendas de SUVs no Brasil
[Vídeo] Jeep Renegade é reestilizado na linha 2019
FCA prevê investir R$ 14 bi na América Latina e até 20 novos fornecedores para polo de Goiana
Fábrica da Jeep anuncia terceiro turno e abre 1,5 mil empregos


“O Rota 2030 era a premissa fundamental do nosso plano de negócios. Um plano de negócios ambicioso que já foi pré-aprovado pelos nossos acionistas e é muito favorável à fábrica de Goiana”, afirmou o presidente da FCA para a América Latina, Antonio Filosa, durante o Salão do Automóvel de São Paulo - evento que marcou a regulamentação do Rota 2030 pelo Governo Federal.

Filosa contou ainda que esse investimento visa ao “desenvolvimento de novos veículos, modernização de modelos em linha, motores e tecnologias no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG), e no Polo Automotivo Jeep, em Goiana (PE)”. Ao todo, serão 25 novidades. E dez delas serão desenvolvidas em Pernambuco até 2023 - o primeiro lançamento, inclusive, pode começar a ser fabricado já no segundo semestre do próximo ano. Por isso, a capacidade de produção da planta pernambucana deve sair dos atuais 250 mil/ano para 350 mil/ano.

Além disso, a FCA deve viabilizar a construção do segundo parque de fornecedores da Jeep. O empreendimento, que deve atrair ao menos R$ 1 bilhão, é cogitado desde o início das operações da fábrica, em 2015. Porém, agora, está mais próximo de virar realidade. É que, além do Rota 2030, a Jeep está sendo beneficiada pela conclusão das obras estruturais que haviam sido prometidas pelo Governo do Estado, como a que vai construir uma linha de transmissão e uma subestação de energia para a fábrica. E, por isso, já deu início às negociações com os fornecedores que podem construir novas fábricas de autopeças na região para dar suporte à produção da Jeep. “Estamos em conversa avançada com 38 fornecedores de experiência global. Estamos construindo um plano de negócios com eles. E isso vai gerar muito emprego, quase 10 mil”, adiantou Filosa.

Ele ainda garantiu que, apesar de também prever investimentos em tecnologia e na fábrica de Betim (MG), o plano de negócios da FCA conta com todos os recursos necessários para viabilizar esses projetos em Goiana. “A fábrica de Pernambuco vai receber muito recurso financeiro do grupo FCA e vai continuar progredindo”, assegurou Filosa, dando a entender que Goiana pode levar R$ 8 bilhões dos R$ 14 bilhões destinados ao Brasil até 2023.

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia