Setores foram patrióticos na Previdência por não serem atingidos, diz Maia

Na avaliação do presidente da Câmara, é normal que certos segmentos tenham elevação de carga tributária após a reestruturação do sistema

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos DeputadosRodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (17) que setores da economia foram patrióticos durante a tramitação da reforma da Previdência porque não foram atingidos pelas mudanças nas regras.

Na avaliação do presidente da Câmara, é normal que certos segmentos tenham elevação de carga tributária após a reestruturação do sistema de impostos do país.

Após se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Maia disse ter visto uma afirmação do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, de que a reforma tributária vai demorar a ser aprovada por falta de acordo no setor produtivo.

Leia também:
Maia descarta 'ordem' entre projetos do governo ao Congresso
Maia defende debate sobre monopólio da Caixa em gestão do FGTS


"Eu peço desculpas ao meu amigo Mansueto, mas ele está errado", disse o presidente da Câmara.

Para ele, o acordo deve ser feito com a sociedade e esses segmentos precisam entender que hoje há distorções na cobrança de tributos.

"Todos esses setores foram muito patrióticos na reforma da Previdência porque não foram atingidos. Agora é normal, com um sistema tributário novo, com a simplificação do sistema, que se transfira carga tributária. Quem não paga passa a pagar, e quem paga muito vai pagar de forma equilibrada", afirmou.

Procurado, o Tesouro Nacional não havia se manifestado até a última atualização deste texto.

Maia disse que ainda não há definição sobre o andamento das propostas que serão apresentadas pelo governo após eventual aprovação da reforma da Previdência, que está em fase final no Senado.

De acordo com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), a equipe econômica vai apresentar uma lista de propostas na próxima quarta-feira (23) que incluirá a reforma tributária, a reforma administrativa e alterações em regras fiscais.

Veja também

No Agreste, shoppings, comércio varejista e salões reabrirão no dia 13
Pernambuco

No Agreste, shoppings, comércio varejista e salões reabrirão dia 13

Cidadania e Receita ampliam fiscalização do auxílio emergencial
auxílio emergencial

Cidadania e Receita ampliam fiscalização do auxílio emergencial