Só 19% das empresas familiares planejam sucessão, diz pesquisa da TGI

Empresa de consultoria conversou com 80 empresas familiares para saber como estão as iniciativas pernambucanas

Georgina Santos e Cármen Cardoso, sócias da TGIGeorgina Santos e Cármen Cardoso, sócias da TGI - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

Apenas 19% das empresas familiares contam com um plano de sucessão no Brasil. Segundo a TGI Consultoria em Gestão, as empresas familiares do Estado estão com uma maior percepção sobre a profissionalização dos sucessores das empresas, tendo um aumento de 54% nessa percepção, em relação ao ano anterior. Porém, apenas 24% das empresas realizam um processo de avaliação do desempenho do sucessor. Esses dados foram divulgados pela TGI na manhã desta sexta-feira (20) no evento “Governança nas Empresas Familiares Pernambucanas”.

Em sondagem sobre Governança nas Empresas Familiares Pernambucanas, realizada pela TGI com o objetivo de conhecer como as famílias empresárias do Estado, estão escolhendo e formando seus sucessores, a empresa conversou com 202 pessoas de mais de 80 empresas pernambucanas, e de gerações diferentes das empresas familiares. Na sondagem, foi notado um maior conhecimento das pessoas para as empresas, investindo ainda mais na formação e capacitação dos sucessores.

Entre as maiores atividades adotadas pelas empresas para o desenvolvimento dos sucessores, estão o rodízio pelas áreas de conhecimento para conhecimento dos processos (33%), feedback para os sucessores (27%), planos de desenvolvimento individual (24%), participação em associações empresariais (16%), entre outras. Um dos destaques das empresas está na necessidade do sucessor ter uma graduação completa para que possa estar presente na empresa,

Segundo Georgina Santos, coordenadora da sondagem e sócia da TGI, “a profissionalização dos sucessores é fundamental para que as empresas tenham continuidade. A pesquisa foi feita essencialmente com empresas do Estado, e mostra que a grande maioria está em processo evolutivo”, destacou.

Leia também:
Banco Central enxerga melhora no crédito a pequenas empresas
Um terço das empresas brasileiras tem dificuldades financeiras, diz Serasa
Microempresários pernambucanos estão otimistas, aponta pesquisa Amcham/TGI

No evento, o economista Werner Bornholdt promoveu uma palestra sobre a importância dos valores para as empesas familiares e como é importante uma boa organização para que a empresa perdure no mercado. “A empresa familiar é a base da economia moderna, e as principais dificuldades encontradas por elas são dentro delas mesmas, nem sempre as dificuldades são externas. Também é preciso muita conversa para que as empresas tenham uma boa sucessão, a preparação dos sucessores é fundamental”, destacou Bornholdt.

Werner Bornholdt, doutor em Psicologia e palestrante principal

Werner Bornholdt, doutor em Psicologia e palestrante principal - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco




“As empresas que são geridas é muito grande, acreditamos que as empresas devem ser geridas por familiares e não terceiros, quando é gerida por outras pessoas a credibilidade delas pode cair”, finalizou.

 

Veja também

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais
lei

Ministério cria Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA
BOLSA DE VALORES

Dólar fecha em leve alta em dia de feriado nos EUA