Três aéreas regionais anunciam retomada de voos no país

Para junho, Gol, Latam e Azul anunciaram a operação de 100 novos voos diários, sendo 15 na Latam, 32 na Gol e 53, na Azul

Aeroporto de CongonhasAeroporto de Congonhas - Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

Após as três maiores companhias aéreas do país anunciarem novos voos para o mês de junho, outras três aéreas regionais retomarão as atividades entre este mês e julho.

Os novos voos atenderão o interior paulista, São Paulo, Rio, Mato Grosso e a região Norte do país e serão operados por Voepass, MAP e Asta.

Para junho, Gol, Latam e Azul anunciaram a operação de 100 novos voos diários, sendo 15 na Latam, 32 na Gol e 53, na Azul.

A Voepass, baseada em Ribeirão Preto, retomará as atividades em 3 de julho com voos que atenderão 13 destinos no país. Antes do início da pandemia, a companhia atendia 47 destinos em todas as regiões e vinha de um crescimento nas operações após ter assumido, em outubro, a operação de 158 slots semanais no aeroporto de Congonhas.

Leia também:
Voos no mundo crescem 26%, e Europa faz planos para retomada do turismo pós-coronavírus
Saiba quais países têm voos que partem do Brasil e quem pode ir para esses lugares


Com frota de 15 aeronaves ATR, com capacidade para 48 e 70 passageiros, a empresa tinha interrompido totalmente as atividades em 23 de março devido à pandemia do novo coronavírus.

A Voepass voltará a operar a partir dos aeroportos de Ribeirão Preto, Guarulhos e Rio de Janeiro (Santos Dumont). Serão dois voos diários de Ribeirão a Guarulhos e outros dois entre Guarulhos e a cidade do interior. Para o Rio, serão ofertados voos às sextas-feiras e aos domingos, com retorno nos mesmos dias.

Os voos previstos representam menos de 15% da oferta de antes da pandemia, segundo José Luiz Felício Filho, presidente da aérea.

"Fomo a primeira companhia a ter uma redução drástica das operações e entramos num processo de hibernação. Isso acabou preservando a estrutura da empresa para ela poder entrar nesse processo de retomada. Lógico que foi danoso, mas dentro desse processo tudo foi feito para conseguir a retomada agora", disse o empresário, que ficou 21 dias internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), a maioria deles intubado, em tratamento contra a Covid-19.

Conforme ele, as curvas de venda de passagens aéreas reduziram drasticamente no início das medidas de isolamento social e passageiros com bilhetes adquiridos cancelaram suas viagens. "O nível de ocupação dos aviões despencou, e ainda houve a desvalorização do real."

Ele afirmou que não houve demissões na aérea, que utilizou medidas como suspensões de contrato de trabalho, férias e licenças para passar por esse período. "Não estamos nem com 15% da capacidade anterior, [agora] vem todo o processo de testar os mercados, para entendermos realmente o comportamento dos clientes, a questão das viagens."

Já a MAP, controlada pela Voepass, retomará na mesma data operações em 10 localidades do Norte do país, como Manaus, Parintins, Belém, Altamira, São Gabriel da Cachoeira e Coari.

HIGIENE
Para que os voos sejam retomados, uma série de medidas sanitárias devem ser seguidas, como a limpeza profunda de cabines dos pilotos, poltronas, banheiros, saídas de ar condicionado, botões de acionamento de luzes e de reclinar das poltronas, corrimão de escadas, maçanetas e outros, utilizando álcool em gel e desinfetantes de padrão hospitalar. O serviço de bordo estará suspenso temporariamente nos voos das duas aéreas.

Em maio, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) anunciou novas medidas sanitárias para a aviação, como a necessidade de uso de máscaras durante todo o voo, regras para o serviço de bordo e distanciamento de ao menos dois metros entre as pessoas nos aeroportos.

Felicio Filho disse que os reflexos da pandemia serão sentidos durante todo o ano e que o processo de normalização das atividades vai depender do comportamento adotado pelos mercados corporativo e turístico.

"De um lado vemos que as empresas estão buscando redução de custo, muitos aprenderam a trabalhar de casa. Mas, por outro, vemos a possibilidade de aquecimento do turismo interno. Com a desvalorização do real, isso pode favorecer voos dentro do país. É um momento em que podemos imaginar que o pior já passou e agora a gente começa uma reconstrução. Com muitos feridos e muitas cicatrizes, já que é uma doença séria, vivi isso na pele."

Já a mato-grossense Asta iniciou o retorno gradativo de suas operações, começando pela rota entre a capital, Cuiabá, e Juína.

Segundo a aérea, a partir do dia 15 ela voará com mais regularidade nesta linha e, a partir de 1º de julho, seguirá para as demais cidades atendidas, conforme demandas.

A companhia, que atua com foco no agronegócio mato-grossense, tem voos que partem de Cuiabá para cidades como Aripuanã, Canarana, Juína, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste e Tangará da Serra.

As operações foram retomadas, assim como ocorrerá nas outras duas aéreas, com a exigência do uso de máscaras por passageiros e tripulantes. A Asta opera com três aviões.

QUEDA
Dos 14.781 voos semanais previstos para maio no país, a malha aérea atendeu apenas 1.254 voos, ou 8,48% do total, segundo a Anac. No mercado internacional, a redução foi de praticamente 100%, com os voos existentes tendo como objetivo a repatriação de brasileiros que estão no exterior e o transporte de cargas.

Em abril, a demanda por voos domésticos recuou 93,1%, com queda na oferta de 91,6%. Já nos voos internacionais, a redução na demanda foi de 96,1%, com oferta 91,1% menor que no mesmo mês de 2019.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Procon-PE retoma atendimento presencial
Consumidor

Procon-PE retoma atendimento presencial

Confira os protocolos para a reabertura das academias de ginástica
Coronavírus

Confira os protocolos para a reabertura das academias de ginástica na próxima segunda