TV passa tablet como meio de acesso a internet por brasileiros

A pesquisa identificou que o número de residências com acesso à internet cresceu 11,7% no ano. Mas, ainda assim, quase de 30% dos 69,7 milhões de domicílios brasileiros ainda não têm acesso à internet.

TV passa tablet como meio de acesso a internet por brasileirosTV passa tablet como meio de acesso a internet por brasileiros - Foto: Reprodução

Com queda nas vendas há anos, os tablets foram ultrapassados pelas TVs como meio de acesso à internet nos domicílios brasileiros, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O acesso à rede por microcomputadores também está em queda. As conclusões são da pesquisa Características gerais dos domicílios e dos moradores 2017, feita com base em dados da Pnad-C (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua)., divulgada nesta quinta (26).

A pesquisa identificou que o número de residências com acesso à internet cresceu 11,7% no ano. Mas, ainda assim, quase de 30% dos 69,7 milhões de domicílios brasileiros ainda não têm acesso à internet. Em 2017, 10,6% dos domicílios pesquisados pelo IBGE informaram ter acessado à internet pela TV, contra 10,5% verificados no caso de tablets. No ano anterior, estes foram citados em 12,1% dos domicílios, enquanto os televisores em apenas 7,7%.

A coordenadora da Pnad-C, Maria Lúcia Vieira, disse que o crescimento dos serviços de streaming, como o Netflix, pode ser uma hipótese para o crescimento do acesso via televisão. Ao todo, 7,4 milhões de domicílios registraram acesso à internet pela TV em 2017, contra 5,3 milhões em 2016.

Leia também:
Mais de 6 milhões de brasileiros vivem em casa cedida, diz IBGE
Sobe percentual de homens que fazem tarefas domésticas, diz IBGE


Mas o mercado já vem registrando queda nas vendas de tablets há três anos. Segundo a consultoria IDC, foram 136 milhões de unidades em 2017, queda de 9,3% com relação ao ano anterior e de 39% com relação ao pico de 223 milhões de unidades atingidos em 2014. Um dos motivos apontados para o desempenho é a substituição por dispositivos menores, chamados de "phablets", ou aparelhos telefônicos com telas maiores do que 5,5 polegadas.

Assim como no caso dos tablets, o acesso a internet por microcomputador também caiu, sendo por 38,8% dos domicílios pesquisados, contra de 40,1% no ano anterior. Em 2017, segundo o IBGE, 30,7 milhões de domicílios no país tinham ao menos um microcomputador, 4% a menos do que em 2016.

No ano passado, 67,5 milhões de domicílios brasileiros tinham televisão, número praticamente estável em relação aos 67,4 milhões verificados no ano anterior.

Celular
Segundo a pesquisa do IBGE, 64,6 milhões de domicílios brasileiros, ou 92,6% do total, tinha pelo menos um aparelho de telefone celular em 2017. O dispositivo ganhou importância entre os meios de acesso à internet, tendo sido citado em 48,1 milhões de domicílios, 15,3% a mais do que em 2016.

Já o número de residências com telefone fixo caiu 6,1%, para 22,4 milhões. O número de domicílios com geladeira e máquina de lavar não teve grande variação entre 2016 e 2017: altas de 0,8%, para 68,4 milhões, e de 2%, para 44,5 milhões.

Veja também

BNDES aprova financiamento de R$ 450 milhões para exportação de aviões
Economia

BNDES aprova financiamento de R$ 450 milhões para exportação de aviões

EUA mantêm bloqueio a órgão que resolve disputas comerciais na OMC
Organização Mundial do Comércio

EUA mantêm bloqueio a órgão que resolve disputas comerciais na OMC