Verduras e frutas serão rastreadas a partir de agosto

Medida do Ministério da Agricultura e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) começa na próxima quinta. Ela vem para trazer mais segurança alimentar

TomateTomate - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A partir de quinta-feira, 1º de agosto, entra em vigor a regras da rastreabilidade de vegetais frescos e frutas no Brasil. O Ministério da Agricultura (Mapa) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vão iniciar a fiscalização no campo e em estabelecimentos de vendas. As regras, que serão regidas pela Instrução Normativa (IN) Mapa-Anvisa nº 02/2018, vai permitir identificar os produtores e saber como foram cultivados os alimentos. Com isso, será possível implantar um controle e segurança nos alimentos a serem consumidos pela população, além de responsabilizar quem fizer uso incorreto de defensivos.

Essa IN requer a rastreabilidade completa dos alimentos: do campo até a venda para o último ente da cadeia produtiva. Nesse primeiro momento, os alimentos que serão rastreados são: citrus (laranja, limão, lima-da-pérsia, entre outros), maçã, uva, batata, alface, repolho, tomate e pepino. Depois, de forma gradativa, entrarão outros alimentos na lista. “A rastreabilidade permite saber o caminho do alimento, que passa por vários percursos no produtor, atravessadores, centros de distribuição e supermercados. Isso garante segurança para todos”, explicou a Auditora Fiscal Federal Agropecuária, Silvana Mendonça.

De acordo com o Mapa, os produtos verificados devem estar identificados com: nome; variedade ou cultivar; quantidade do produto recebido; identificação do lote e data de recebimento do produto. Já o fornecedor terá que informar seu nome ou a razão social (CPF, Inscrição Estadual ou CNPJ ou CGC/Mapa; endereço completo, ou quando localizado em zona rural a coordenada geográfica ou Certificado de Cadastro de Imóvel Rural Regularização de Territórios (CCIR). Eles ainda deverão manter arquivados os registros dos insumos agrícolas utilizados na produção e no tratamento contra pragas.

Leia também:
Agricultura receberá aporte de R$ 357 mil
Acordo Mercosul-UE é considerado modesto para veículos e agricultura


“Na cadeia produtiva, as informações têm que ser repassadas do ente anterior para o ente posterior, ou seja, quem comprou e quem vendeu precisa ter informações do produto de acordo com o que é requerido. Além disso, é obrigatório manter as informações registradas e arquivadas seja na propriedade ou no estabelecimento”, informou Silvana.

Também na próxima quinta-feira começa, em paralelo, a rastreabilidade parcial de outro grupo de alimentos (exemplo: melão, cenoura e cebola). Nesse grupo, não serão exigidas as informações de insumos agrícolas utilizados. A vigência total do grupo começará em agosto do próximo ano. Um terceiro grupo ainda vai ter vigência em agosto de 2021.

Veja também

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz
Conta de luz

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz

BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia

BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas