[Vídeo] Compass: carro pernambucano ganha o mundo

Modelo é o primeiro veículo nascido em Pernambuco e está completando um ano com boas vendas: 43 mil unidades

Jeep CompassJeep Compass - Foto: Ed Machado

Há um ano, o mercado automobilístico mundial conhecia o Jeep Compass - o primeiro carro nascido em Pernambuco. E, hoje, ninguém duvida que a criação da Fábrica da Jeep de Goiana foi bem sucedida. Afinal, mesmo custando mais de R$ 100 mil, o modelo já é um dos mais vendidos do Brasil. Com mais de 34,5 mil unidades comercializadas só neste ano, o Compass é o segundo SUV mais emplacado do País, de acordo com a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Em um ano, foram 43 mil unidades vendidas.

O carro começou a ser exportado para a Argentina e já está sendo produzido em outras fábricas da Fiat Chrysler Automobiles ao redor do mundo, como México China e Índia. Para a Jeep, são muitos os fatores que explicam a boa aceitação do Compass. Entre eles, está a tecnologia embarcada. É que, além dos tradicionais sensores de estacionamento, o modelo dispõe de sistemas que alertam para a aproximação de objetos nos pontos cegos do motorista e ampliam as opções do piloto automático.

Leia também:
[Vídeo] Entenda o que faz um SUV de verdade
Entre na fila para ter seu Kwid, o “SUV dos compactos”


O Compass pode, por exemplo, manter-se na faixa de rolagem e controlar a distância do veículo da frente de forma automática, deixando os passageiros mais seguros na hora de pegar a estrada.

O modelo pernambucano também promete encarar as condições de piso mais adversas. Para isso, as versões com tração nas quatro rodas dispõem do Select-Terrain, sistema que muda a aceleração e o torque do veículo de acordo com as condições do terreno - o motorista pode programar, por exemplo, a configuração adequada para pedras, lamas e até neve.

Ainda há assistência para rampas e descidas. Por isso, no campo de provas de Goiana, os engenheiros da Jeep se atrevem até a descer uma ladeira com 30 metros de altura sem pisar no freio - veja o vídeo do teste off road.
 


O design robusto e imponente também ajuda nesta missão. Afinal, o Compass fica a quase 22 centímetros do solo e conta com bons ângulos de entrada e saída - 28,7º e 31,9º respectivamente. E ainda dá para encarar desafios sem perder o conforto. É que, no Compass, o motorista conta com itens como chave de presença, amplos bancos de couro ajustáveis eletronicamente, central multimídia de oito polegadas e teto solar.

Potência também não falta. Com duas opções de motor 2.0 (Tigershak Flex e Multijet II Diesel) aliadas a câmbios automáticos de seis ou nove velocidades e transmissões suaves, o SUV oferece até 170 cavalos de potência e 35,7 kgfm de torque. As combinações, no entanto, ainda deixam perceber o quão pesado é o Compass. E os 1,7 mil quilos que compõem o veículo não colaboram com o desempenho do veículo. Quando testada pela Folha de Pernambuco, por exemplo, a versão Trailhawk só fez 7,5 quilômetros por litro (km/l). Já na nova versão Limited Diesel, novidade da linha 2018, o consumo ficou em 10 km/l. A reportagem também sentiu falta do GPS na central multimídia.

Outro ponto que merece atenção é o preço. Afinal, o Compass não sai por menos de R$ 105 mil e chega a R$ 158 mil na sua configuração mais completa - hoje, o modelo conta com seis versões diferentes.

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão