Contagem regressiva para Mundial de Natação Paralímpica

Delegação brasileira já treina em Londres, que recebe o evento a partir da próxima segunda-feira (9)

Phelipe Rodrigues treina em Londres para o Mundial 2019Phelipe Rodrigues treina em Londres para o Mundial 2019 - Foto: Alê Cabral/CPB

A delegação brasileira que disputará o Campeonato Mundial de Natação Paralímpica de 2019, entre os próximos dias 9 e 15 de setembro, já está em Londres, na Inglaterra, sede desta edição. O grupo é composto por 24 atletas, dos quais 23 saíram diretamente de Lima, após a vitoriosa participação nos Jogos Parapan-Americanos, para o novo compromisso. Quem se juntou à equipe foi o carioca Caio Amorim, da classe S8.

O grupo já realiza os primeiros treinos na reta final para a competição. O evento será realizado na mesma piscina em que foram disputadas as provas da natação nos Jogos Paralímpicos Londres 2012. “A expectativa para esse Mundial é grande. Será uma competição muito forte, talvez o Mundial mais forte que já aconteceu. Os atletas vieram de uma semana bem intensa em Lima. Eles nadaram muitas provas, tiveram um desgaste grande. Então o principal nesta semana pré-Mundial é recuperá-los, ajustar algo que falta, dar um último descanso, para quando o Mundial começar, eles consigam estar em sua melhor performance para brigar por finais e medalhas”, comentou o técnico-chefe da natação do Comitê Paralímpico Brasileiro, Leonardo Tomasello.

Cerca de 600 nadadores de 60 países são esperados na competição, que dá aos países a alocação de vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, no próximo ano. Os atletas que ficarem entre os dois primeiros em suas respectivas provas garantem um lugar à sua nação na Paralimpíada. Cada nadador poderá acumular apenas um posto para o seu país.

A última edição do Mundial aconteceu na Cidade do México, em 2017, e o Brasil terminou na quarta colocação no quadro-geral, com 36 medalhas: foram 18 de ouro, nove de prata e nove de bronze.

Pernambucanos
Entre os representantes do Brasil no Mundial estão Phelipe Rodrigues, de 29 anos, e Maria Carolina Santiago, de 34, dois destaques nacionais no Pan de Lima, com sete e quatro ouros, respectivamente. Phelipe, que nasceu com má-formação congênita no pé direito, ingressou no paradesporto em 2008 e está indo para o quinto Mundial da carreira. Já Carolina, portadora de uma síndrome rara que acomete o nervo óptico, competia no esporte convencional e só foi apresentada ao paradesporto no ano passado, fazendo, portanto, a sua estreia em Londres.

Pan de Lima
O Brasil vem de uma participação histórica na natação nos Jogos Parapan-Americanos de Lima. A modalidade contou com 40 nadadores, que conquistaram 127 medalhas, sendo 53 ouros, 45 pratas e 29 bronzes. A natação foi o esporte que mais contribuiu para o desempenho histórica do Brasil no evento.

Veja também

Conheça os tipos de vacina contra a Covid-19
Coronavírus

Conheça os tipos de vacina contra a Covid-19

Como a Covid afetou o tratamento do câncer
Inspiração Saúde

Como a Covid afetou o tratamento do câncer