Dificuldade para usar imagem de Neymar incomoda parceiros da CBF

Para utilizar o jogador em campanhas publicitárias, as empresas precisam firmar um acordo com a NR Sports

Neymar em propaganda recente que gerou mal estarNeymar em propaganda recente que gerou mal estar - Foto: Divulgação/CervejaProibida

Patrocinadores da CBF estão incomodados pelo fato de não poderem usar a imagem de Neymar em suas campanhas publicitárias que têm como tema a Seleção Brasileira. Diferentes parceiros da entidade revelaram mal-estar à reportagem por não conseguirem contar com o principal jogador dos comandados de Tite em propagandas.

As fontes ouvidas pela reportagem afirmam que, pelos contratos com a CBF, poderiam utilizar a imagem de jogadores em um contexto coletivo - pelo menos três atletas - e claramente atrelado à Seleção, em jogo, treinamento ou atividade envolvendo o time.

Para que um desses três atletas seja Neymar, entretanto, esbarram na necessidade de firmar um acordo com a NR Sports, empresa que detém os direitos de imagem do camisa 10.

A recusa em contar com Neymar incomoda os patrocinadores, que dizem não ter os mesmos obstáculos para utilizar outros jogadores. A questão é tema de discussões entre empresas, mas não foi formalizada uma reclamação diretamente à CBF.

Nem a CBF nem o Paris Saint-Germain possuem direitos sobre a imagem de Neymar - eles pertencem exclusivamente à NR Sports, que desembolsou para isso mais de 100 milhões de euros. Pela empresa, e por Neymar pai, passam todos os acordos publicitários do jogador.

Ao receber uma solicitação de um patrocinador sobre uma campanha envolvendo a seleção e jogadores, a CBF realiza uma análise técnica para verificar se ela se enquadra nos termos contratuais, podendo recusá-la caso envolva os direitos de imagem individuais de qualquer atleta.

Procurada pela reportagem, a entidade afirmou que não irá comentar o assunto. O estafe de Neymar reiterou que seus direitos de imagem individuais pertencem exclusivamente à NR Sports.

Saia justa
A aparição de Neymar em material publicitário de patrocinadores da Seleção já gerou controvérsia no passado. Em 2014, o atacante apareceu pedalando bicicletas do Itaú, parceiro da CBF, na Granja Comary. A situação criou mal-estar com o Santander, que patrocina diretamente o jogador.

Em um e-mail ao qual a reportagem teve acesso, o vice-presidente do Santander cobrou Neymar pai sobre o ocorrido. "Entendemos claramente, embora naturalmente não nos agrade, a exposição da marca de nosso principal concorrente nas camisetas que usa o Neymar Jr. na Seleção. Infelizmente, essa é uma coisa que não podemos evitar. Porém, o uso de um dos maiores símbolos de marketing do nosso concorrente poderia e deveria ter sido evitado. Nos irritou ainda mais a exploração, pelo próprio Itaú, das fotos nas redes sociais, o que se caracteriza claramente em uso indevido da imagem", diz a mensagem.

Neste ano, a cervejaria Ambev acionou a concorrente Proibida na Justiça, alegando que uma campanha da concorrente que tem Neymar como protagonista utiliza indevidamente a marca da Seleção Brasileira. Parceira da CBF, a Ambev tem exclusividade sobre a equipe e as marcas da CBF.

Veja também

'Poderia ter sido de quatro', exalta Hélio dos Anjos após 1ª vitória no retorno aos Aflitos
Náutico

'Poderia ter sido de quatro', exalta Hélio dos Anjos após 1ª vitória no retorno aos Aflitos

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time
Liga dos Campeões

Uefa analisa Liga dos Campeões com mínimo de 10 jogos por time