Emery rompe com brasileiros do PSG, e Neymar evita atrito

Crise foi escancarada após Thiago Motta e Thiago Silva ficarem fora do jogo com o Real Madrid, pela Champions League

Técnico espanhol Unai Emery e o brasileiro Neymar no PSGTécnico espanhol Unai Emery e o brasileiro Neymar no PSG - Foto: ALAIN JOCARD / AFP

Unai Emery resolveu bater de frente com os jogadores brasileiros do Paris Saint-Germain. O treinador gerou irritação ao tirar os capitães Thiago Silva e Thiago Motta do duelo contra o Real Madrid, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, e colocou a pá de cal em um relacionamento já desgastado. O atrito é acompanhado de longe por Neymar, com receio de aumentar uma crise de bastidor.

Emery está cansado com o que julga de abuso de comando dos brasileiros. As ausências do zagueiro e do volante foram encaradas pelos jogadores como uma forma de mostrar o poder sobre o elenco. As escolhas de Emery geraram perplexidade no grupo. Thiago Motta, já recuperado de lesão na perna esquerda, sequer foi relacionado. Thiago Silva, por sua vez, foi avisado pelo treinador sobre a ausência poucas horas antes do confronto.

Leia também:
Elenco do PSG fica na bronca com Emery após derrota
[Galeria] Cristiano Ronaldo leva a melhor em duelo com Neymar, e Real bate o PSG

"Tocar" no capitão Thiago Silva foi a gota d'água para a crise de relacionamento se instaurar. O zagueiro avisou os brasileiros sobre a ausência ainda na concentração. Irritado, se negou até a realizar o aquecimento com o grupo no gramado do Santiago Bernabéu minutos antes do jogo.

Emery justificou a ausência de Thiago Motta com debilidade física. Já a escolha de Thiago Silva no banco de reservas foi apontada como decisão tática. Na defesa, o francês Kimpembe foi o escolhido. No meio-campo, a vaga foi herdada pelo argentino Giovani Lo Celso, autor do pênalti que rendeu um gol para o Real Madrid.

O grupo de brasileiros do PSG aprecia o trabalho tático de Emery. Os treinamentos com Daniel Alves no meio-campo e o conhecimento dos adversários são pontos destacáveis. O incomodo é com o que chamam de "gestão humana", pelo excesso de rodízio no time titular, e a falta de comunicação com os jogadores.

Neymar
O atacante acompanha a crise de relacionamento de Emery com os brasileiros do PSG sem manifestações. A postura é julgada como compreensiva pelos compatriotas para evitar o agravamento da situação. A avaliação dos amigos também foi a de que o atacante ficou extremamente exposto durante o período de atrito com Edinson Cavani - os jogadores brigaram por direito de cobrar pênaltis no time.

O atacante brasileiro tem problemas antigos com o treinador. A demora na decisão para eleger o cobrador de pênaltis e os vídeos de correção de posicionamento considerados cansativos já foram atritos contornados. No entanto, nada irritou mais do que a falta de oportunidades ao amigo Lucas Moura - vendido recentemente ao Tottenham.

"Foi injusto o que aconteceu com Lucas Moura aqui. Tem muita qualidade e deveria ser mais aproveitado", disse o atacante. "Só que não sou o dono do time, não sou o dono do PSG", finalizou deixando claro não ter ação nos bastidores.

Ao final do duelo contra o Real Madrid, Neymar também adotou a mesma postura ao se negar a comentar sobre as escolhas de Emery para a partida. "Não quero comentar. Ele é o treinador, o comandante, e decide o que faz com a equipe", destacou em entrevista ao canal Esporte Interativo.

Veja também

Em Pituaçu, Santa Cruz enfrenta Jacuipense nesta segunda
Futebol

Em Pituaçu, Santa Cruz enfrenta Jacuipense nesta segunda

Open de Tennis Reserva do Paiva 2020 teve primeiros vencedores neste sábado
Tênis

Open de Tennis Reserva do Paiva 2020 teve primeiros vencedores neste sábado