O inesperado capítulo final entre Sport e Magrão

Maior ídolo da história do Leão, goleiro acionou o clube na justiça. Em 14 anos, atleta e clube viraram sinônimos para o Brasil

Magrão, maior campeão da história do SportMagrão, maior campeão da história do Sport - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Era um "casamento de comercial de margarina", termo utilizado popularmente para relações com uma imagem perfeita. Sport e Magrão viveram juntos por 14 anos, o que não são 14 dias ou até mesmo 14 meses. É uma vida! Mas, tudo tem o seu começo, meio e fim. E chegou a hora do capítulo final de Magrão na Praça da Bandeira. O recordista em número de jogos com a camisa leonina e recordista em títulos, foram dez taças levantadas nesses 14 anos, está se despedindo do clube. Ídolo maior de uma linda história, o veterano pediu divórcio de "forma litigiosa", acionando o clube na justiça trabalhista alegando uma dívida de cerca de R$ 5 milhões, para surpresa de dirigentes e torcedores.

Como outra parte da relação, antes apaixonada, todos ainda esperaram as explicações do goleiro para o término, mas vem optando pelo silêncio até o momento. Enquanto todos aguardavam um pronunciamento do atleta de 42 anos, Magrão colocava o seu apartamento na Avenida Boa Viagem à venda, avaliado em R$ 3,5 milhões, e embarcava para São Paulo, onde está com a família. Todo término requer um tempo de análise. Advogados do Sport e do atleta estão em negociação para tentar um acordo amigável antes que o processo entre no trâmite jurídico, com a primeira audiência já marcada para o dia 25 de setembro, na 10ª Vara do Trabalho.

Leia também:
Guto Ferreira fala sobre a saída de Magrão do Sport
Sport e advogado de Magrão se reúnem. Acordo segue em aberto
Conciliação? Sport e Magrão abrem possibilidade de acordo
'Cada um pode pedir quanto quiser', diz o Sport sobre Magrão
Sport é notificado no 'Caso Magrão', que pede sigilo judicial

Com tantas conquistas e admiração por parte mesmo até dos rivais, Magrão e Sport viraram sinônimos. A ficha parece que ainda está caindo para muitos rubro-negros, que não poderão mais cantar que ele "é o melhor goleiro do Brasil" antes dos jogos. Ou até mesmo admirar o bandeirão feito em homenagem ao ídolo em 2017. O presidente Milton Bivar, por exemplo, afirmou na última quinta-feira que demorou a acreditar que o maior ídolo da história do Sport havia tomado tal atitude sem nem sequer o consultar antes para abrir uma possibilidade de acordo. Aliás, acordo esse que foi feito ainda no final do ano passado, quando o veterano sentou com a diretoria recém-eleita e acertou uma repactuação das dívidas que o clube tinha, além de aceitar a redução de seu salário.

O rompimento dessa relação começou no último dia 21, quando Magrão não esteve presenta na reapresentação do elenco. Entre os jogadores, a admiração e o respeito por Magrão são visíveis. Após a conquista do 42º título pernambucano do Sport, o oitavo do jogador pelo clube, vários companheiros de elenco pediram para tirar foto com a lenda rubro-negra ainda no gramado.

Internamente, a grande maioria se dirige ao goleiro como "Seu Magrão", como forma de respeito. Na última sexta-feira, o treinador Guto Ferreira falou pela primeira vez sobre a situação e deixou clara a sua admiração pelo profissional. A reportagem da Folha de Pernambuco passou a semana tentando contato com o goleiro Magrão, mas não obteve sucesso.  

Veja também

Com reformulação na equipe, Central espera se classificar no Pernambucano
Futebol

Com reformulação na equipe, Central espera se classificar no Pernambucano

Fifa estende permissão de cinco substituições até julho do ano que vem
Futebol

Fifa estende permissão de cinco substituições até julho do ano que vem