Pai de Neymar vai à Justiça contra ex-advogado de Najila

Segundo os advogados, o objetivo da ação é 'instrumentalizar eventual ajuizamento de ação penal nos casos de delito contra a honra'

Neymar paiNeymar pai - Foto: Lionel Bonaventure/AFP

O pai do atacante Neymar ingressou com ação de interpelação judicial contra José Edgard da Cunha Bueno, ex-advogado de Najila Trindade, que acusou o jogador de estupro e agressão.

Na época da defesa da modelo, Bueno tentou um acordo com Neymar da Silva Santos antes da suposta vítima procurar a Delegacia de Defesa da Mulher, em São Paulo. No dia 31 de maio, ela registrou a acusação em boletim de ocorrência.

Os advogados Francis Ted Fernandes, André Castello Branco Colloto e o escritório Fernandes e Abreu também são interpelados. O caso tramita no Fórum Criminal da Barra Funda. Segundo os advogados, o objetivo da ação é "instrumentalizar eventual ajuizamento de ação penal nos casos de delito contra a honra".

Leia também:
Polícia decide não indiciar Neymar em acusação de estupro
Para delegada, não há provas para incriminar Neymar por estupro
Defesa de Neymar diz que delegada decide caso na segunda
Advogado de Najila Trindade diz que deixou o caso

Representante da família do atleta, Davi Tangerino afirmou à Folha de S.Paulo que "os caminhos estão abertos" para pedir indenização aos ex-advogados de Najila. "Mas não comentaremos estratégia ou próximos passos nesse momento", completou.

Os acionados não quiseram comentar o caso. Na petição, o pai do jogador faz 13 perguntas. Nas duas primeiras, pede que Bueno explique a sua relação com o repórter Mauro Naves, demitido pela Rede Globo em meio ao caso.

Naves não é parte no processo. O jornalista disse à Folha de S.Paulo que repassou os contatos do pai de Neymar e de Bueno com o consentimento de ambos. "Nunca neguei que conhecia as duas partes, só fui procurado pelo José Edgard porque ele me conhecia e sabia que eu conhecia o Neymar pai. Aí liguei para o Neymar pai e perguntei se poderia passar o telefone para o advogado. Ele disse que sim, eu passei o telefone de um para o outro", disse Mauro Naves.

A Globo afastou Naves em junho. Na ocasião, a emissora alegou que a atuação do profissional contraria "a expectativa da empresa sobre a conduta de seus jornalistas". No dia 8 de julho, a Globo informou a saída de Naves de forma consensual.

Neymar anexou um print da conversa com Bueno pelo Whatsapp. O advogado escreve para o pai do jogador: "Mauro Naves falou ao meu respeito. Ele disse que você estaria disponível para uma conversa hoje".

O pai e agente do atleta do PSG também cobrou na Justiça que o advogado confirme o envio de uma carta publicada no UOL em que ele cita que Neymar teria realizado "armadilha com o objetivo de criar um álibi para o seu protegido."

Na ação, a defesa da família do jogador cita também a entrevista de Francis Ted Fernandes, sócio de Bueno, ao jornal O Globo em que ele afirma que foi criada "uma armadilha". "Ele [Neymar pai] montou uma cena para parecer extorsão. Ele sabia a gravidade do que tinha acontecido", disse Fernandes

Os interpelados, no entanto, se recusaram a responder as questões. No processo, os advogados deles consideram a ação descabida. "A referida reunião, entre advogados, buscava única e exclusivamente alternativa de solução dos conflitos e transcorreu dentro da mais absoluta regularidade. Ao contrário do que atribuiu o interpelante (Neymar), jamais houve qualquer pedido, ou exigência de pagamento de valores indevidos, nem tampouco foram externadas ameaças, veladas ou não, com o fim de auferir vantagem econômica", responderam ao juiz.

Segundo o defensor dos interpelados, Antônio Sérgio de Moraes Pitombo, eles procuraram o pai do atleta para um acordo, o que é normal nesse caso, e afirma que não houve tentativa de extorsão. A reunião ocorreu no dia 29 de maio, dois dias antes da suposta vítima ir até a Delegacia da Defesa da Mulher em São Paulo e registrar boletim de ocorrência.

Em entrevista à Band no dia 3 de junho, o pai de Neymar afirmou que os advogados "pediram dinheiro, um cala boca para a menina".

"Esse cenário de que teria ocorrido um crime de extorsão, é uma antítese absoluta em relação aos fatos", disse Pitombo, advogado dos interpelados. "Não houve nada de ilegal, advogados fazem contatos para tomar acordo antes de tomar providência. A discussão era de um possível acordo, como poderia ser, mas nada de nenhuma indenização."

Após pedido do jogador e de seu pai, a Polícia Civil abriu inquérito para apurar crime de extorsão. O caso é investigado por Monique Patrícia Ferreira Lima, delegada do 11º Distrito Policial de São Paulo. O próprio Mauro Naves prestou depoimento no começo de julho.

"Nessa briga entre os advogados dos dois lados, minha participação é irrelevante. Na delegacia, fui recebido de forma muito respeitosa e, de maneira muito tranquila, respondi a tudo que me foi perguntado. E como corre em sigilo de justiça, me comprometi a não divulgar o teor das perguntas e respostas. E assim farei. Mas saiba que nada aconteceu de excepcional", disse Naves em entrevista ao UOL nesta quarta (31).

Neymar e Najila se encontraram em Paris nos dias 15 e 16 de maio. Ela viajou de São Paulo para a capital francesa com passagens e estadia bancadas pelo atacante. Os dois se encontraram duas vezes no hotel Sofitel Arc De Triomphe.

Duas semanas após o encontro, de volta ao Brasil, a modelo registrou boletim de ocorrência na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher em Santo Amaro, zona sul da cidade. Em seguida, a delegada Juliana Lopes Bussacos instaurou inquérito e colheu depoimentos de Najila e Neymar, além de 12 testemunhas. No último dia 29 de julho, a delegada concluiu o inquérito e afirmou que não tinha elementos para indiciar o jogador.

"Durante o inquérito foi juntado laudo sexológico, de corpo de delito indireto, a ficha de atendimento do hospital onde ela passou por atendimento psicológico e do atendimento particular, laudo dos celulares e do tablet do filho e não tive elementos do acusado", afirmou Bussacos.

O inquérito foi entregue ao Ministério Público. O órgão, titular da ação, tem o prazo de 15 dias, a contar a partir do último dia 30, para tomar alguma medida. Entre elas, o Ministério Público pode: arquivar o caso; discordar da Polícia Civil e oferecer denúncia contra Neymar; solicitar novas diligências como depoimentos e outras provas; oferecer denúncia contra Najila pelo crime de denunciação caluniosa.

Veja também

Martelotte e dois jogadores do Santa Cruz testam positivo para a Covid-19
Futebol

Martelotte e dois jogadores do Santa Cruz testam positivo para a Covid-19

PSG fica sem Neymar, mas vence Basaksehir pela Liga dos Campeões
Futebol

PSG fica sem Neymar, mas vence Basaksehir pela Liga dos Campeões