Sul-americanos seguem interessados em sediar Copa do Mundo feminina de 2023

Brasil, Argentina, Colômbia e mais cinco países confirmaram que continuam na disputa para receber o próximo mundial

Brasil na Copa do MundoBrasil na Copa do Mundo - Foto: Philippe Huguen AFP/

Após as desistências de Bélgica e Bolívia, oito países, entre eles Brasil, Argentina e Colômbia, confirmaram interesse em sediar a Copa do Mundo de futebol feminino de 2023, que terá 32 seleções, anunciou nesta terça-feira a Fifa.

Em julho, a Fifa anunciou que, devido ao grande sucesso da Copa do Mundo da França-2019 e para "favorecer o crescimento do futebol feminino", seu conselho decidiu ampliar o formato do Mundial de 2023 de 24 para 32 equipes.

Em agosto, a Fifa informou que dez países haviam sinalizado interesse em organizar o evento. Mas, após as retiradas das candidaturas de Bélgica e Bolívia, restam oito países na briga: África do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, Colômbia, Japão, Nova Zelândia e Coreia do Sul (possivelmente em conjunto com a Coreia do Norte).

As federações interessadas tinham até 2 de setembro para confirmar as candidaturas. Agora, têm até 13 de dezembro para enviar um dossiê de apresentação dos projetos. O país-sede será escolhido em maio do ano que vem.

Vencida pela seleção dos Estados Unidos, a Copa do Mundo da França-2019 teve grande sucesso a nível global. 

Leia também:

Copa do Mundo feminina terá 32 equipes a partir de 2023 

Veja também

Satisfeito, Hélio dos Anjos afirma que 'busca por competitividade' provocou mudanças
Náutico

Satisfeito, Hélio dos Anjos afirma que 'busca por competitividade' provocou mudanças

São Paulo tem gol anulado 2 vezes, empata com Ceará e perde chance de ser líder
Futebol

São Paulo tem gol anulado 2 vezes, empata com Ceará e perde chance de ser líder