Sport

Último técnico estável do Sport, Eduardo Baptista volta à Ilha do Retiro

No próximo domingo, o profissional reencontra o Leão pela segunda vez em sua antiga casa

Eduardo Baptista comandou o Sport em boa parte da Série A 2015Eduardo Baptista comandou o Sport em boa parte da Série A 2015 - Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O treinador do próximo adversário do Sport no Campeonato Brasileiro da Série A conhece muito bem a Ilha do Retiro. Dessa vez do lado oposto, no Atlético/PR, Eduardo Baptista terá um reencontro com o estádio no domingo (2), em partida válida pela 11ª rodada. No Leão, o técnico tem uma longa história e viveu momentos marcantes e de glórias em um ano e sete meses dirigindo o time rubro-negro, de 2014 a 2015. Inclusive, ele iniciou sua carreira no clube pernambucano e despontou no futebol.

Não é a primeira vez que Eduardo Baptista voltará a sua antiga casa. No ano passado, pela Ponte Preta/SP, enfrentou o Leão e perdeu pelo placar de 1 a 0, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série A.

A reportagem da Folha de Pernambuco relembra a trajetória de Eduardo Baptista no Sport: como começou sua empreitada, momentos do técnico, jogadores que atualmente estão no elenco e trabalharam com ele e estabilidade no comando.

PRIMEIROS PASSOS

Bapista chegou ao Sport em 2008 como integrante da comissão técnica do seu pai, Nelsinho. No ano seguinte, deixou o clube com o técnico, mas no fim de 2012 recebeu um convite para retornar à Ilha do Retiro para integrar novamente a comissão.

PASSAGEM

Antes preparador físico, Baptista foi efetivado como treinador no início de 2014, cinco anos depois da saída do seu pai, após três vitórias seguidas como interino. Sua estreia aconteceu no dia 30 de janeiro de 2014, na goleada sobre o Náutico por 3 a 0. Na ocasião, substituiu Geninho. Com uma sequência positiva, virou técnico e conquistou os títulos da Copa do Nordeste e do Pernambucano. No Campeonato Brasileiro da Série A, passou por altos e baixos, ficou oito jogos sem vencer e foi pressionado. Suportou o mau momento e conseguiu manter o clube na elite do futebol brasileiro, caindo nas graças da torcida rubro-negra.

No ano seguinte, perdeu a Copa do Nordeste e o Campeonato Pernambucano na mesma semana. Viveu outra situação de aperto com as eliminações, porém mais uma vez a diretoria bancou a permanência do técnico. Disputando sua segunda Série A da carreira, Eduardo Baptista liderou a competição por cinco rodadas e até a 14ª partida esteve bem. Daí pra frente, o Sport começou a cair na tabela com resultados negativos. Após um ano e sete meses no clube, recebeu uma proposta tentadora do Fluminense e se transferiu para o Rio de Janeiro.

ESTABILIDADE

O desempenho do técnico foi muito positivo. Em 127 partidas, foram 55 vitórias, 35 empates e 37 derrotas – aproveitamento de 53%. Desde a saída de Baptista, o Sport não teve estabilidade no comando. De lá pra cá, quatro treinadores dirigiram o time – Falcão, Oswaldo de Oliveira, Daniel Paulista e Ney Franco, respectivamente. 

JOGADORES

Eduardo Baptista trabalhou com vários jogadores que até hoje estão no atual elenco rubro-negro, como Magrão, Durval, Rithely, Diego Souza, André, Ronaldo, Samuel Xavier, Evandro, Everton Felipe, Adryelson, Ítalo, Fábio, Juninho, Alison e Wallace. 

RODAGEM

Depois de comandar o Sport e Fluminense, o técnico foi parar na Ponte Preta/SP em 2016. Este ano, treinou o campeão brasileiro Palmeiras e atualmente está no Atlético-PR há mais um mês (desde o dia 23 de maio). No clube paranaense, acumula até agora cinco vitórias, dois empates e três derrotas.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres