Votação mantém polêmico ranking da Superliga feminina

A ponteira Jaqueline e a oposta Sheilla saíram da categoria sete pontos, enquanto a oposta Tiffany entrou

Time do Praia Clube é um dos destaque da SuperligaTime do Praia Clube é um dos destaque da Superliga - Foto: Site oficial/Praia Clube

Representantes dos 10 clubes de melhor campanha na fase classificatória da Superliga Cimed feminina 17/18 e o presidente da Comissão de Atletas, André Heller, fizeram, nesta terça-feira (7), a reunião de praxe após o encerramento da primeira etapa do certame para debater as diretrizes da próxima temporada.

No encontro, entre os assuntos principais discutidos esteve o ranking de atletas, sendo definida a manutenção da categoria sete pontos e a limitação de duas atletas dessa pontuação por equipe para a edição 2018/2019. Ficou determinada, também, a continuidade do máximo de duas estrangeiras por time.

No seleto grupo dos sete pontos estão oito jogadoras, sem muitas alterações em relação à Superliga passada. Seguem ranqueadas dessa forma a levantadora Dani Lins, apesar da ausência nessa temporada pela licença maternidade, as centrais Fabiana e Thaisa, as ponteiras Fernanda Garay, Gabriela Guimarães e Natália e a oposto/ponteira Tandara. As novidades ficam por conta da saída da ponteira Jaqueline e da oposto Sheilla, além da entrada da oposto Tiffany, que estreou na Superliga feminina nesta temporada, defendendo o Bauru.

Participaram da votação representantes do Dentil/Praia Clube (MG), Sesc (RJ), Camponesa/Minas (MG), Vôlei Nestlé (SP), Hinode Barueri (SP), Fluminense (RJ), E. C. Pinheiros (SP), Vôlei Bauru (SP), São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) e BRB/Brasília Vôlei (DF). A bicampeã olímpica Sheilla participou da reunião como convidada.

A regra do ranking foi criada na temporada 92/93, com o objetivo de gerar equilíbrio entre os times participantes da competição. A partir da temporada 16/17, os clubes votaram pelo fim da pontuação geral para a formação de seus elencos (antes o somatório das peças do elenco tinha o máximo de 43 pontos), com jogadoras valendo de zero a sete pontos, passando a contar, apenas, as de pontuação máxima.

Isso causou a revolta das “selecionáveis”, uma vez que elas e as estrangeiras são as únicas que têm regras de limitação. Em março do ano passado, inclusive, quando o ranking fora aprovado para a temporada em vigência, as atletas fizeram uma carta aberta condenando tal regulamento. A queixa, sobretudo, foi pelo fato de poucos times no País terem condições de pagar os salários almejados por elas e, por isso, muitas acabam sem contrato.

As definições sobre a Superliga Cimed masculina 18/19 serão divulgadas após a reunião que acontecerá no dia 20 de março, em São Paulo (SP).

Veja também

Fifa estende permissão de cinco substituições até julho do ano que vem
Futebol

Fifa estende permissão de cinco substituições até julho do ano que vem

Náutico consegue suspensão dos leilões da garagem de remo
Náutico

Náutico consegue suspensão dos leilões da garagem de remo