A Corda completa 24 anos 'convocando' foliões para terça de Carnaval em Olinda

Ideia é não deixar ninguém dormindo para poder aproveitar o último dia de folia

Bloco A Corda 'convoca' os foliões para aproveitar a terça-feira de Carnaval em OlindaBloco A Corda 'convoca' os foliões para aproveitar a terça-feira de Carnaval em Olinda - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

Irreverência e alegria marcaram o passagem do bloco anárquico A Corda, que neste ano comemora 24 anos fazendo a festa nas primeiras horas da manhã da terça-feira (13) de Carnaval pelas ladeiras de Olinda. A ideia é não deixar ninguém dormindo para poder aproveitar o último dia de folia.

Pontualmente às 7h da manhã, um grupo modesto, formado por cerca de 20 pessoas, seguiu entrando pelas casas de moradores e turistas do sítio histórico acordando o pessoal. “Fazemos um trabalho de utilidade pública, já que entendemos que ninguém deve perder tempo dormindo durante o carnaval”, brinca a diretora de cerimonial, Geisa Lima, que há 10 anos faz parte do bloco.

Leia também:
[Fotos] Toda irreverência do folião no Carnaval do Recife
[Fotos] Noite silencia tambores e presta homenagens
[Fotos] Foliões tomam ladeiras de Olinda neste domingo de Carnaval
No 41º desfile do Galo, multidão nos camarotes

Terça-feira em Olinda tem D’Breck e Encontro de Bonecos Gigantes
Túlio Gadêlha encontra com Fátima Bernardes na Terça Gorda
Mundo Livre e Nação Zumbi participam de shows em Olinda nesta terça
Ursos, cocos e cirandas na Terça-Feira Gorda

Desde a formação original, Cheres Costa revela que tudo faz parte de uma grande brincadeira. "Desde o princípio, o bloco foi uma grande brincadeira entre mim e meus amigos Silas Ribeiro, Marcelo Laranjeiras e Cláudio Baiu. Não queríamos perder um minuto da folia”, lembra Costa.

Para a técnica de enfermagem Alexsandra Guedes, que há seis anos não perde por nada sair no bloco acordando o pessoal, a satisfação é imensa. “Não é fácil depois de um dia inteiro de farra, acordar cedo pra acordar o povo, mas apesar de praticamente não ter dormido de ontem pra hoje, poder aproveitar cada instante dessa alegria, não tem preço”, conta.

Se para quem faz parte da turma que acorda o povo é bom, a sensação de ser acordado e ainda maior. “ agora é continuar a brincar o carnaval”, revela o comerciante Tabira Marques, de 64 anos, um dos muitos acordados pela turma do A Corda, que fechou essa edição com mais de cem seguidores pelas ruas do sítio histórico da cidade alta.

 

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres