Abreu e Lima: vizinhos se juntam para ajudar sobreviventes

Apesar do trauma causado pela tragédia, os vizinhos se juntam para ajudar os sobreviventes

Chuvas em Abreu e LimaChuvas em Abreu e Lima - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

No Bairro de Caetés II, em Abreu e Lima, Região Metropolitana do Recife, a desolação de quem sobreviveu à tragédia se mistura com os esforços feitos pra recobrar o que a lama não tomou. Foram 5 vítimas - uma delas, Maria Eduarda, 21, estava grávida de oito meses. O corpo da jovem foi encontrado na madrugada desta quinta-feira.

“Eram pessoas sensacionais, a menina [Maria Eduarda] estava muito feliz. Já tinha feito até o chá de bebê”, disse Eunice da Silva, que mora em uma das casas atingidas. De acordo com Dona Eunice, como é conhecida, o corpo de uma das vítimas foi arrastado para o interior da casa dela. “Eram 3 horas da manhã quando ouvimos um grande estrondo. A partir daí, foi um barulho que parecia uma metralhadora”, falou a moradora de Caetés II.

Leia também:
'A perda é grande mas continuamos lutando', diz familiar de vítimas
Deslizamento de barreira deixa mortos em Abreu e Lima

Apesar do trauma causado pela tragédia, os vizinhos se juntam para ajudar os sobreviventes. “A gente só tem ideia de como a situação está de verdade quando a gente vem aqui ver”, disse Peronis Geroncio, 45, que está a mais de 12 horas ajudando a remover os móveis da casas atingidas.

Na Rua 93 do bairro Caetés I, localizada nas proximidades do local do acidente, a casa de Thaynná Santana, 22, foi interditada. “A gente só percebeu quando amanheceu e viu a rachadura que partiu o chão da casa”, disse a nutricionista, que mora com os pais e a irmã, que tiveram que se mudar para uma casa alugada. “Esses deslizamentos são constantes, mas nesse inverno foi muito pior”.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres