Alimentos manipulados sem higiene podem estragar seu Carnaval

Confira as causas da infecção intestinal e se previna

Rafael Coelho,  e-mail: contato@rafaelcoelho.med.br | Instagram: @rafaelcoelhomed | Facebook: /rafaelcoelho |Rafael Coelho, e-mail: [email protected] | Instagram: @rafaelcoelhomed | Facebook: /rafaelcoelho | - Foto: divulgação

Olá, leitores e internautas que acompanham a coluna Saúde e Bem-Estar

Evite comer pratos com maionese e os molhos nos focos de folia, pois, são perecíveis e estragam rapidamente, ainda mais quando não estão mantidos sob a temperatura correta. Geralmente, são sanduíches vendidos como "naturais". Mas muito cuidado!

Você não quer ter por uma infecção intestinal e estragar o seu Carnaval, não é mesmo?

Causas da infecção intestinal

Notadamente, a principal causa de infecção intestinal é a ingesta de alimentos mal lavados ou mal conservados com presença de bactérias e vírus. Também a infecção intestinal pode ser por sustâncias químicas ou tóxicas. A falta de higiene no manuseio das comidas pode transferir fungos das mãos e unhas para o seu intestino.

Sintomas

Vômitos, náuseas, diarreia, febre, dor muscular, dor abdominal, cólica e perda de apetite. Esses sinais podem surgir até 72 horas após ter consumido o alimento contaminado, podendo esses sintomas persistirem de 4 a 7 dias. O organismo tende a ficar mais desidratado. Portanto, procure uma emergência hospitalar para ter recomendações corretas sobre sua situação clínica.

Busque sempre a sua melhor versão. Siga-me nas redes sociais e fique sempre atualizado com informações sobre saúde e bem-estar. Obrigado e até o próximo encontro.

Rafael Coelho (CRM: 23943/PE) é médico. Pautas para Jademilson Silva – Jornalista - DRT: 3468. E-mail: [email protected]

Pílulas do Carnaval

Os olhos precisam também de cuidados na folia de momo, informa Catarina Ventura, oftalmologista do Instituto de Olhos Fernando Ventura.

Use sempre protetores solares apropriados para o rosto, para evitar que escorram com o suor. Não use óculos sem proteção ultravioleta e lubrifique seus olhos com lágrimas artificiais, para evitar ressecamento”. Em relação aos acessórios, a oftalmologista diz que antes de aplicar na pele é importante realizar previamente um teste com o produto a ser utilizado em outra parte do corpo, que seja menos sensível. “Em contato com a visão, vai ser como uma areia, uma sensação de corpo estranho nos olhos. É preciso ter o cuidado na hora de esfregar ou lavar, para que o glitter não caia dentro. “A dica que dou é colocar um acessório de tamanho maior, que é mais fácil de retirar, caso toque nos olhos”, disse a médica, que ainda fez outro alerta sobre os cílios postiços. “Se você não tem habilidade de aplicar, procure um profissional, porque pode causar uma abrasão na córnea, irritações e você perde seu carnaval”.

Cuidado com o HPV durante o Carnaval

De acordo com o urologista e especialista em saúde sexual do homem Filipe Tenório, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) são as mais comuns durante e após o Carnaval. É que parte da população costuma ter relações sexuais sem proteção e assim são contaminadas por vírus e bactérias. “HPV é a doença mais recorrente no período. Se caracteriza por um vírus com mais de cento e vinte subtipos, no qual, 40% causam verrugas genitais. Elas podem ocasionar vários tipos de câncer, como colo de útero”, explica. Ainda segundo o médico, não existe remédio para tratar o vírus. A única forma de evitar a contaminação é através do uso da camisinha.

Palavra do Especialista – Especial Carnaval

Glitter e pele: como evitar reações alérgicas no Carnaval

Patrícia Guimarães é dermatologista

Patrícia Guimarães é dermatologista - Foto: Vinícius Ramos/divulgação

A purpurina é consenso no período carnavalesco, o pó mágico abrilhanta as maquiagens, roupas e, sobretudo, a pele dos brincantes. Contudo, o que poucos sabem, é que a procedência desse tipo de material deve ser observada com cuidado, para que não haja nenhum tipo de dano à pele. Afinal, gente é para brilhar e não para sofrer com alergias e irritações. Por isso, é muito importante verificar se o glitter passou por testes de controle de qualidade. Todos os cosméticos devem ser submetidos aos testes da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para saber se suas matérias-primas são adequadas para a pele. Além disso, muitos foliões aproveitam o carnaval nas altas temperaturas de Olinda, indo de bloco em bloco com a mesma make. Dessa maneira, para que a cútis não fique ressecada e sofra com reações atípicas, são sugeridas as versões hipoalergênicas dos produtos, a combinação de protetor solar e base cosmética também faz sucesso, garantindo proteção e beleza. Outra dica muito boa é experimentar tanto o glitter como as pedrinhas de strass uma semana antes da festa. O recomendado é aplicar na parte interna das mãos e verificar como a pele reage depois de algumas horas. Na hora de retirar a maquiagem, é importante lembrar de nunca esfregar a pele para remover a purpurina. Demaquilantes bifásicos e a água micelar, podem ser ideais para a retirada dos cosméticos. Basta usar um pouco de algodão úmido com um dos produtos e aplicar de maneira sutil, com movimentos circulares. Pode repetir o processo até a pele ficar completamente limpa. No caso de reações alérgicas, lave a área afetada imediatamente com água fria. Um médico deverá ser consultado.

Patrícia Guimarães, dermatologista da Real Derma. Redes sociais: @realdermarecife e @patriciaguimaraesdermato

 

Veja também

Brasil tem novos 602 óbitos pela Covid-19 nas últimas 24h
Coronavírus

Brasil tem novos 602 óbitos pela Covid-19 nas últimas 24h

Aberto para todos os públicos prioritários, Ceasa terá novo centro de testagem para Covid-19
Coronavírus

Aberto para todos os públicos prioritários, Ceasa terá novo centro de testagem para Covid-19