Após protestos convocados pelas redes sociais, parte do Iraque tem internet cortada

Desde quarta-feira (2), as redes sociais deixaram progressivamente de estar acessíveis em Bagdá e no sul do país, onde ocorreram protestos

Nove pessoas morreram em protestos no IraqueNove pessoas morreram em protestos no Iraque - Foto: Hussein FALEH / AFP

A conexão à internet foi cortada em grande parte do Iraque nesta quinta-feira, no terceiro dia de manifestações convocadas pelas redes sociais, devido a restrições decididas pelos provedores, segundo um site especializado. Desde quarta-feira, as redes sociais deixaram progressivamente de estar acessíveis em Bagdá e no sul do país, onde ocorreram protestos. Os manifestantes indicaram que não podiam se comunicar online ou publicar imagens.

Desde então, as restrições se estenderam à rede de internet como um todo, tornando o Iraque um país "amplamente isolado" do mundo, de acordo com o NetBlocks, um observatório internacional de acesso à internet.

Na manhã de quinta-feira, cerca de 75% do país não tinha acesso à internet, depois que as operadoras Earthlink, Asiacell e Zain "cortaram intencionalmente" o acesso à internet, disse a NetBlocks. O norte do país, incluindo a região autônoma do Curdistão, dominada por outra operadora, não foi afetado pelos cortes.

Leia também:
Manifestações no Iraque já fizeram ao menos nove mortos
Ataque deixa 12 mortos em uma cidade santa xiita no Iraque
União Europeia pode obrigar Facebook a apagar publicações difamatórias

Durante um movimento social que ocorreu no sul do país durante o verão de 2018, as comunicações via internet e telefônicas com o exterior foram cortadas. Naquele momento, o acesso às redes sociais também foi banido e a conexão de rede foi completamente cortada.

As autoridades iraquianas ainda não comentaram a desconexão de três quartos do país, onde foram estabelecidos toques de recolher em várias cidades.

Veja também

Milhares de libaneses nas ruas para protestar e exigir respostas das autoridades
Líbano

Milhares de libaneses nas ruas para protestar e exigir respostas das autoridades

Primeiro-ministro do Líbano anuncia que vai propor eleições antecipadas após explosões
Líbano

Primeiro-ministro do Líbano anuncia que vai propor eleições antecipadas após explosões