Ato contra violência espalha mil cruzes na praia do Pina

Cerca de 40 igrejas e organizações sociais cristãs organizam a ação "Pernambuco Chora Sangue"

Ato público "Pernambuco Chora Sangue" protesta contra número de homicídios no EstadoAto público "Pernambuco Chora Sangue" protesta contra número de homicídios no Estado - Foto: Geraldo Moreira/Rádio Folha FM

Pelo segundo ano consecutivo, o Movimento PE de Paz fincou mil cruzes nas areias da praia do Pina, na Zona Sul do Recife. O ato público "Pernambuco Chora Sangue", que acontece na manhã deste sábado (24), tem por objetivo protestar contra o número de homicídios no Estado em 2018.

Cerca de 40 igrejas e organizações sociais cristãs organizam a ação, que conta com performances teatrais e musicais, entrega de manifesto à população e vigília e oração pela paz.

Leia também:
Mil cruzes são fincadas na Praia do Pina em protesto contra homicídios
Grande Recife sobe seis posições e tem a 22ª maior taxa de homicídios do planeta


Entre as principais denúncias do movimento, fala o pastor Tales Ferreira, estão a falta de transparência na divulgação dos dados feita pelo Governo e as mortes de jovens e negros de periferia. "Viemos denunciar que o governador e seus secretários continuam mantendo uma postura de não ser transparentes com os dados e informações referentes à violência. Não queremos apenas números, não queremos o totalizador. Nós queremos saber quem morre, qual o sexo, se é pobre ou rico, se é negro ou branco", criticou.

O religioso pede a divulgação dos dados para traçar estratégias de prevenção. "Queremos trabalhar com esses dados para que possamos pensar em qual prevenção, em qual local e em qual segmento devemos trabalhar", acrescentou Tales, que alerta para a falta de transformação da política de segurança pública de Pernambuco. "Continuam morrendo negros, pardos, pobres e jovens e a política de segurança pública do nosso Estado continua ter nenhum tipo de transformação nesse cenário", finalizou.

O pastor José Marcos, chama a atenção para como a violência atinge toda a sociedade. "O problema é comum, mesmo sabendo que quem morre tem estrato social, tem cor, tem lugar geográfico e tem sexo. Pode não ser comum quem morre com ela, mas todos são afetados. Nesse aspecto, todos precisam estar unidos", disse.

Em 2017, até o fim de fevereiro haviam sido mortos 974 pessoas em Pernambuco, segundo estatísticas oficiais divulgadas pela Secretaria de Defesa Social (SDS). Este ano, no mesmo período, o número oscilou para 867 assassinatos. A queda, diz José Marcos, é tímida, mas pode ser comemorada.

"Na prática morre a mesma quantidade de gente, mas um morto a menos nós celebramos, apesar de Pernambuco ser o terceiro estado que mais mata no Brasil, que é um dos países mais violentos do mundo. Tem muita coisa para ser feita ainda", finalizou o pastor.

Em nota, a SDS informou que "combate a criminalidade e investiga todos os CVLIs com a máxima dedicação e emprego da técnica". Ainda de acordo com a nota, em 2017, 2,5 mil homicidas foram capturados pelas polícias em Pernambuco, "ajudando a reduzir os números de homicídios e de crimes contra o patrimônio em todo o Estado".

Confira a nota na íntegra:

A SDS informa que combate a criminalidade e investiga todos os CVLIs com a máxima dedicação e emprego da técnica. Só em 2017, 2,5 mil homicidas foram capturados pelas polícias em PE, ajudando a reduzir os números não só de homicídios, mas de crimes contra o patrimônio em todo o Estado desde o segundo semestre do ano passado.

Em setembro de 2017, o efetivo das polícias começou a receber uma série de reforços, totalizando 6 mil servidores incorporados às polícias Militar, Civil e Científica, como também ao Corpo de Bombeiros Militar.

É importante deixar claro que as mortes em Pernambuco são provocadas pela ação de grupos criminosos motivados, em 75% dos casos, pela disputa do tráfico de drogas e outras atividades criminais. A SDS acrescenta que realiza um conjunto de ações comunitárias e preventivas visando o combate ao racismo e a proteção de população jovem das periferias do estado.

Sobre a divulgação dos dados, é importante esclarecer que, desde o ano passado, a SDS ampliou o banco de estatística para consulta pública em seu site, dando maior transparência à divulgação de dados e informações sobre a segurança pública.

Todo dia 15 de cada mês, são colocados à disposição de toda a sociedade não apenas números de homicídios, como era feito anteriormente, mas também as motivações e locais das ocorrência, além de dados sobre as diversas modalidades de crimes contra o patrimônio, violência doméstica e estupro. Foi por essa iniciativa da SDS que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública colocou Pernambuco entre os Estados com maior transparência e confiabilidade na disponibilização de dados sobre segurança. Essas informações são divulgadas e estão à disposição, inclusive em recortes mais específicos, a partir de solicitação da população à Ouvidoria da SDS ou por meios da Lei de Acesso à Informação (LAI). A SDS tem o perfil das vítimas e atua com base nisso para traçar estratégias de enfrentamento.


Veja também

Encontro de líderes de Israel e da Arábia Saudita marca nova etapa no Oriente Médio
internacional

Encontro de líderes de Israel e da Arábia Saudita marca nova etapa no Oriente Médio

Olinda inicia processo de matrícula 2021 para a rede municipal
Educação

Olinda inicia processo de matrícula 2021 para a rede municipal