Bloco da Chuva reverte parte de ingresso para ajudar crianças com microcefalia

A coordenadora do Projeto, Jacira Salsa, explicou que a casa de reabilitação ainda não tem condições orçamentárias para a compra dos equipamentos

Bloco da ChuvaBloco da Chuva - Foto: Facebook/Reprodução

O Projeto Anjos, que promove ações solidárias em prol da melhoria de vida de crianças com microcefalia no Grande Recife, já conta com uma unidade física para prestar serviços de saúde e assistência social, no entanto não possui equipamentos para que o centro comece a funcionar. A diretora social da Câmara de Dirigentes Lojistas de Olinda (CDL) e coordenadora do Projeto Anjos, Jacira Salsa, explicou que a casa de reabilitação, localizada no Bairro Novo, foi cedida pela Prefeitura de Olinda, mas que ainda não houve condições orçamentárias para a compra dos equipamentos.

Leia também
Solidariedade em favor de bebês com microcefalia


“A prefeitura alugou o espaço e eu fiz a reforma, mas ainda não conseguimos montar. Nós queremos dar assistência não só as crianças, mas as mães também”, comentou Jacira. “Nós fizemos uma parceria com a Faculdade São Miguel, na qual os professores e alunos da instituição vão prestar serviços de Psicologia, Nutrição, Fisioterapia e Assistência Social. Estamos atrás de outras especialidades também”, completou.

Sensibilizados com o trabalho desenvolvido pelo Anjos junto as crianças com microcefalia, o Bloco da Chuva irá destinar parte do valor da camisa-ingresso, que custa R$ 70, para o custeio dos equipamentos de fisioterapia que a casa de acolhimento necessita. O desfile será realizado no dia 12 de fevereiro - segunda de Carnaval - no Recife Antigo a partir das 18h. Os ingressos estão à venda no La Comedie, na Rua Amaro Bezerra, nº 466, no bairro do Derby, no Recife.

“O bloco existe desde 2010 e a cada ano trabalhamos com um tema e uma causa social. Para o desfile deste ano, nós escolhemos o tema Conecte ao Amor e acompanhamos todo o trabalho do Projeto Anjos”, declarou o presidente do bloco, Jemyson Cleyton. A casa de reabilitação precisa de equipamentos como cama elástica, bolas suíças, andador ciclo sul, banco tartaruga, entre outros instrumentos que totalizam um investimento de aproximadamente R$ 10 mil.

Veja também

Máscara é último tabu a cair, diz Bolsonaro sobre prevenção à Covid-19
Coronavírus

Máscara é último tabu a cair, diz Bolsonaro sobre prevenção à Covid-19

Vacina pode ser aplicada no Brasil mesmo sem autorização da Anvisa, diz Doria a site
Coronavírus

Vacina pode ser aplicada no Brasil mesmo sem autorização da Anvisa, diz Doria a site