Brasil vai investir R$ 10 milhões em pesquisas do novo coronavírus

A Rede Vírus vai desenvolver pesquisas para mapear o Covid-19

Análise de caso suspeito de coronavírus no Instituto Oswaldo CruzAnálise de caso suspeito de coronavírus no Instituto Oswaldo Cruz - Foto: José Damacena/IOC/divulgação

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, informou nesta segunda-feira (3) que o governo federal prevê investir R$ 10 milhões via Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em pesquisas voltadas para o mapeamento e sequenciamento do novo coronavírus.

Segundo Pontes, o valor ainda é uma previsão e deve ser aplicado em 2020. A informação foi divulgada após teleconferência sobre o novo coronavírus com ministros de Ciência e Tecnologia de outros oito países (Alemanha, Canadá, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Inglaterra, Itália, Japão e Nova Zelândia).

Em fevereiro, a pasta criou a Rede Vírus, uma rede de pesquisa envolvendo cientistas e laboratórios para ajudar no enfrentamento de viroses emergentes, com foco inicial em coronavírus e influenza. O grupo é formado por especialistas e representantes do Ministério da Saúde, de entidades científicas e de unidades de pesquisa.

Leia também:
Brasil tem 433 casos suspeitos de infecção pelo coronavírus
Governo e Fiocruz distribuirão 30 mil testes para novo coronavírus
Genomas de coronavírus dos casos confirmados do país são diferentes


O ministro Marcos Pontes afirmou em entrevista aos veículos da Empresa Brasil de Comunicação (EBC):

“A ideia é trabalhar com Ministério da Saúde para colocar recursos para que essa rede possa desenvolver as pesquisas. Certamente vai ajudar em termos de modelamento desse vírus, no mapeamento e no sequenciamento desse genoma e muitas outras possibilidades em termos de tratamento, testes clínicos. Então, o Brasil pode contribuir muito”

A rede de pesquisa será coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) e definirá uma agenda de prioridades de pesquisa e ações futuras para auxiliar no combate de viroses no país. A atuação deverá ser restrita ao campo da pesquisa científica, como auxiliar e complementar às iniciativas do Ministério da Saúde.

Ministros de Ciência
De acordo com Marcos Pontes, o grupo de ministros de Ciência discutiu sobre formas de trocar informações sobre o novo coranavírus entre os países e como pode haver a colaboração entre os países.

“Nós tratamos de três assunto: o que estamos fazendo em cada um desses países em termos de pesquisa para auxiliar a parte de saúde propriamente dita. Segundo: como a gente pode trocar dados; e terceiro, como podemos colaborar com os diversos países”, explicou Pontes. O grupo de ministros faz parte do Carnegie Group of Science Advisers, criado em 1991 para reunir anualmente ministros da Ciência de diversos países.

Segundo o ministro, o grupo tem trabalhado no mapeamento e identificação da origem do novo coronavírus.

“A pesquisa e o desenvolvimento têm uma série de fatores que trabalham na busca de identificar o vírus, o genoma, o modelamento. Com esse tipo de identificação, a gente consegue ter uma ideia de onde vem, que tipo de vírus a gente recebeu aqui no Brasil. É importante a gente ter a noção dessa propagação”, completou.

A previsão de Pontes é que o grupo mantenha o contato, por teleconferência, semanalmente.

Veja também

Pesquisas não têm valor se eleitores ficarem em casa, diz Obama em comício de Biden
internacional

Pesquisas não têm valor se eleitores ficarem em casa, diz Obama em comício de Biden

Há politização dos dois lados e Doria força a barra sobre vacina, diz líder de comissão da Câmara
Coronavírus

Há politização dos dois lados e Doria força a barra sobre vacina, diz líder de comissão da Câmara