Católicos relembram sacrifício de Jesus na Via-Sacra da Fraternidade

Cortejo religioso terminou às 11h, com uma missa na Basílica de Nossa Senhora do Carmo celebrada pelo arcebispo dom Fernando Saburido

18ª Via-Sacra da Fraternidade percorre ruas do Recife18ª Via-Sacra da Fraternidade percorre ruas do Recife - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Diversos fiéis percorreram o Centro do Recife, no bairro de Santo Antônio, na 18ª Via-Sacra da Fraternidade. Realizada na manhã desta quarta-feira (28), a caminhada relembrou o caminho de Jesus Cristo à cruz. O cortejo foi iniciado no Pátio de São Pedro, com coordenação do padre João Carlos, passando por 14 estações. Cada uma delas representa um momento da Paixão de Cristo, convidando o público a refletir sobre suas “cruzes” pessoais.

Durante o cortejo, o público carregou uma enorme cruz de madeira, com cerca de 100 quilos. Entre uma estação e outra, se trocava o grupo de “carregadores”: em um momento idosos conduziam o símbolo, já em outro, estudantes eram convocados para levar a cruz. O percurso se encerrou às 11h, com uma missa na Basílica de Nossa Senhora do Carmo celebrada pelo arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido.

Para o padre João Carlos, a via-sacra é “um exercício piedoso” para relembrar a necessidade dos católicos em caminhar com Cristo. “Na Semana Santa existe um peso especial dessa caminhada carregando a cruz, relembrando o caminho de Jesus ao calvário. Ele fez esse sacrifício, entregando a vida por nós. Então, realizamos esse gesto, procurando aprender com o exemplo que Ele deixou, como a paz, a doação e o perdão”, reflete o religioso.

Este ano, a Campanha da Fraternidade tem como tema a superação da violência. O padre vê o assunto diretamente ligado à época da Semana Santa. “A Paixão de Cristo é uma grande cena de violência. É uma grande denúncia da violência que se comete contra os inocentes”, afirma.

Leia também:
Via-Sacra relembra a paixão e morte de Jesus e levanta debate sobre violência
Fiéis no Recife relembram, pela 364ª vez, os passos de Cristo até o calvário
[Fotos] Campanha da Fraternidade pede superação da violência

Os locais que recebem as “estações” foram escolhidos previamente pela Associação Missionária Amanhecer (AMA), que promove a via-sacra. A comerciante Isabella Barbosa, 20 anos, se sentiu honrada por receber o cortejo na loja que trabalha. “Essa é a segunda vez que escolhem o estabelecimento do meu tio. É uma honra muito grande receber uma das estações aqui”, relata a moça, que leu uma passagem bíblica junto do padre João Carlos no momento em que a procissão passou por lá.

O advogado Antônio Barros, 62, acompanha a caminhada com uma grande sensação de “agradecimento”, como pontuou. “Me sinto renovado participando. Esse ano tenho muito a agradecer. Minhas filhas conseguiram emprego concursado”, conta.

Veja também

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil
Coronavírus

Aumento de indicadores da Covid-19 leva Jaboatão a suspender retorno de aulas para educação infantil

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças