Chile procura saída política para inédita crise social

O Partido Socialista (PS), principal conglomerado da oposição, confirmou sua participação no encontro liderado pelo novo ministro do Interior

Protestos no ChileProtestos no Chile - Foto: CLAUDIO REYES / AFP

O governo chileno voltou a convocar nesta quinta-feira (31) a oposição para buscar uma saída consensual para a inédita crise social vivida no país há duas semanas, que chegou a motivar o cancelamento de dois eventos internacionais e deixou 20 mortos.

Diferentemente do primeiro encontro, organizado três dias após a eclosão da crise na sexta-feira, 18 de outubro, o governo não excluiu nenhum partido com representação no Parlamento, incluindo o Partido Comunista, que anunciou que não compareceria.

O Partido Socialista (PS), principal conglomerado da oposição, confirmou sua participação no encontro liderado pelo novo ministro do Interior, Gonzalo Blumel, nomeado na segunda-feira pelo presidente Sebastián Piñera depois de remover oito dos 24 membros de seu gabinete.

Leia também:
Relatório registra mais de 20 mortos e 9 mil pessoas presas no Chile
Governo chileno admite situações que 'parecem violações' dos Direitos Humanos
Ingredientes da crise no Chile estão em toda América Latina


"O estado de emergência foi suspenso e foram convidados todos os partidos políticos sem exclusões, por isso decidimos participar", disse o presidente do PS, Álvaro Elizalde.

Em meio a protestos em massa, saques e incêndios, Piñera decretou estado de emergência, que vigorou por nove dias - até a última segunda-feira - e colocou milhares de militares nas ruas.

Em reunião no palácio de La Moneda, sede da Presidência, Elizalde antecipou que pedirá ao governo a implementação de "uma ambiciosa agenda social".

Além disso, aderiu a uma proposta que ganha adeptos como possível forma de resolver a atual crise social: fazer uma nova Constituição, que substitua a herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

"O país já não aguenta mais prorrogações", afirmou o presidente do Partido pela Democracia (PPD), Heraldo Muñoz, de oposição, acolhendo também o pedido de mudar a criticada Constituição, confeccionada sob medida para que a ditadura e as forças conservadoras mantivessem seu poder, mesmo após a redemocratização.

Medidas profundas
Com 41 anos e mais aberto ao diálogo do que seu antecessor, Blumel tem a missão de analisar com o mundo político chileno saídas da crise social, que em 13 dias deixou 20 mortos em um país semiparalisado.

A crise obrigou o presidente Piñera a anunciar nesta quarta-feira o cancelamento da organização do encontro de líderes do fórum Apec – com a presença confirmada do presidente dos Estados Unidos Donald Trump - e a cúpula do clima das Nações Unidas COP-25, que aconteceriam em poucas semanas em Santiago.

As duas reuniões vinham sendo organizadas há meses e ocupavam grande parte da agenda do presidente, que antes da crise se empenhava em posicionar-se como uma liderança internacional.

Após anunciar sua "dor" por cancelar ambas as reuniões, Piñera disse que agora se concentrará em restaurar a paz social e implementar uma agenda social com a qual pretende acalmar os protestos sociais. Seus anúncios até agora considerados insuficientes.

"Voltamos ao La Moneda hoje para tentar que o governo escute a necessidade de tomar medidas profundas", disse Carlos Maldonado, presidente del opositor Partido Radical.

Na quarta-feira, pela primeira vez, Piñera se mostrou aberto a analisar a possibilidade de realizar mudanças estruturais, embora privilegiando a instância de diálogo que encarregou a seu ministro de Desenvolvimento Social, Sebastián Sichel.

Organizações como a Central Unitária de Trabalhadores (CUT) denunciam que ainda não foram convocadas.

"Não é que haja uma falta deliberada de diálogo, o importante é que haja uma instância de diálogo com os movimentos sociais", afirmou Bárbara Figueroa, presidente da CUT.

Veja também

Boca de urna indica empate entre presidente e opositor na Polônia
Mundo

Boca de urna indica empate entre presidente e opositor na Polônia

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros
Negócios

Cresce na Europa pressão contra produtos brasileiros