Comerciantes da Praça do Tacaruna são realocados

Por causa de uma reforma no local, 24 comerciantes foram transferidos para praça ao lado do Hospital de Câncer de Pernambuco

O espaço foi inaugurado na segunda-feira (6)O espaço foi inaugurado na segunda-feira (6) - Foto: Ed Machado/ Folha de Pernmabuco

Os comerciantes que tinham fiteiros e lanchonetes informais ao redor da Praça General Carlos Pinto, conhecida como a Praça do Tacaruna, estão de mudança. Pois o local vai passar por uma reforma. Após a reforma, o lugar contará com quiosques, iluminação, parada de ônibus e Zona Azul.

Ao todo, 24 comerciantes foram transferidos. Eles começaram a ser realocados pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc), no último domingo (5) para uma Praça de Alimentação ao lado do Hospital de Câncer de Pernambuco.

“O espaço foi reduzido pela metade se comparar com o antigo fiteiro que eu tinha. Esse meu ainda é grande, mas tem espaço que ainda é bem menor, e isso dificultou muito para quem trabalha com café da manhã, almoço e jantar”, contou Paula Santos, de 42 anos. Ela trabalha há dois anos com refeições e lanches e desde a segunda-feira (6) ocupa o novo espaço.

A distribuição dos boxes foi definida por meio de um sorteio realizado com a presença de todos os envolvidos. Já a praça de alimentação, com mais espaço, foi destinada aos comerciantes informais que trabalham com refeições. Já uma outra praça de alimentação, menor, foi destinada aos comerciantes que vendem lanches, como coxinha, empada e bolo de bacia.   

O espaço ocupa cerca de 400 metros quadrados e vai contar com uma central de gás, que até o momento não foi instalada. Em resposta, a Semoc informou que está providenciando junto à empresa fornecedora de gás que a instalação dos cilindros seja realizada o mais breve possível.   


Leia também:
Começa a funcionar o Restaurante Popular da Prefeitura do Recife
Restaurante pega fogo na hora do almoço no Centro do Recife
Compaz na Praça da Caxangá abre cadastros para atividades

A mudança dos comerciantes ainda está em processo. Aos poucos, os boxes estão sendo ocupados, e os donos estão trazendo as suas mercadorias. Segundo os comerciantes, no local no final do expediente chegam pessoas contratadas pela prefeitura de uma empresa terceirizada para poder limpar o local, além de vigilantes que se dividem em turnos para a segurança do local.

Os custos de serviços de limpeza e vigilância não vão fazer parte da taxa de permissão cobrada aos comerciantes locais. Os locatários vão pagar os mesmos valores estabelecidos aos comerciantes de mercados públicos do município, que é o Documento de Arrecadação Municipal (DAM), que é pago mensalmente e vária entre R$ 9 e R$ 14 reais, dependendo do metro quadrado do box. Além da conta de luz, que cada box possuí um medidor de energia individual.   

Alana Peixe, 22, que trabalha por perto lanchou pela primeira vez no novo espaço. Ela contou que sempre comia na antiga Praça do Tacaruna e completou dizendo, “acho que vai melhorar por conta da organização do espaço”.

Já para a comerciante Raimunda de Souza, 58, a movimentação só aumentou. “Pensei que ia faltar cliente, mas só melhorou".

Veja também

Trem descarrila no nordeste da Escócia e há feridos graves
Mundo

Trem descarrila no nordeste da Escócia e há feridos graves

Nova Zelândia ordena confinamento de asilos de idosos
Coronavírus

Nova Zelândia ordena confinamento de asilos de idosos