Comissão outorga medidas cautelares para crianças transplantadas na Venezuela

Pela falta de drogas para evitar a rejeição, transplantes foram suspensos em junho de 2017. Cerca de 3.500 transplantados estão em risco de perder seus órgãos; o índice de falta de fármacos é de 95%.

Presidente da Venezuela, Nicolás MaduroPresidente da Venezuela, Nicolás Maduro - Foto: Frederico Parra / AFP

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) outorgou medidas cautelares a favor de um grupo de crianças venezuelanas em risco de perder rins transplantados por falta de medicamentos. A informação foi divulgada por familiares e organizações não-governamentais nesta sexta-feira (23).

Em decisão tomada na última quarta-feira (21), a CIDH pediu às autoridades que tomem ações para "garantir a vida" dos menores, assegurando seu acesso a remédios e cobrindo suas "necessidades nutricionais", disse à AFP a advogada Katherine Martínez, diretora do voluntariado "Prepara Família". 

A medida beneficia os pacientes da unidade de nefrologia pediátrica do hospital público JM de los Ríos, na capital Caracas, acrescentou Martínez, cuja organização os representa. O JM de los Ríos atende 60 pacientes na consulta de nefrologia pediátrica, além de ter praticado cerca de 250 transplantes, detalhou a defensora de direitos humanos.

O mais urgente, segundo Martínez,  é conseguir o acesso aos imunossupressores que só são entregues nas farmácias de alto custo do Seguro Social. "Pela falta de fármacos para evitar a rejeição, foram suspensos em junho de 2017 os transplantes de rim", ressaltou.

Leia também:
Eleições presidenciais da Venezuela serão em 22 de abril
Venezuela fecha 2017 com inflação de mais de 2.000%, diz Parlamento
Venezuela poderá voltar ao Mercosul quando voltar à democracia, diz Temer


Cerca de 3.500 transplantados estão em risco de perder seus órgãos na Venezuela pela escassez de remédios, segundo a ONG Codevida. A Federação Farmacêutica afirma que a falta de drogas para tratar afecções crônicas (como as que sofrem cerca de 16.000 pacientes dependentes de diálise) é de 95%.

Representes do Cecodap, uma das ONGs que impulsaram o recurso frente à CIDH, informaram ao ministério da Saúde sobre as medidas cautelares. No entanto, o governo costuma criticar essas decisões, por considerar que a CIDH e a Corte Interamericana de Direitos Humanos são "instrumentos do imperialismo".

Na última terça-feira, cerca de 20 pais protestaram em frente ao hospital para exigir remédios para seus filhos.

 

Veja também

Trump diz que deixará Casa Branca se vitória de Biden for confirmada
eua

Trump diz que deixará Casa Branca se vitória de Biden for confirmada

Velório de Maradona na Casa Rosada tem aglomeração e tumulto
Maradona

Velório de Maradona na Casa Rosada tem aglomeração e tumulto