Constituição pernambucana inclui proteção à mulher vítima de violência

Medida se tornou competência constitucional do Estado graças à deputada estadual Gleide Ângelo

Gleide ÂgeloGleide Âgelo - Foto: Caio Danyalgil / Folha de Pernambuco

A deputada estadual Gleide Ângelo (PSB) alterou a Constituição do Estado de Pernambuco para incluir a proteção à mulher vítima de violência. A medida passa a ser competência constitucional no Estado e dos municípios pernambucanos, que devem desenvolver políticas públicas específicas para a proteção da mulher. A Emenda Constitucional n° 46/2019 reconhece que a violência contra a mulher necessita de políticas de enfrentamento.

Leia também:
Gleide Ângelo propõe policiais mulheres em todos os municípios do Estado
Mulher é empurrada de primeiro andar durante discussão em Olinda
Mulheres protestam na América Central contra feminicídio


Para a deputada, é preciso reconhecer que essas políticas são uma garantia de equidade, quando há uma adaptação à regra para que ela possibilite um tratamento justo para todos. "Atualmente há muito questionamento acerca de políticas públicas para as mulheres, onde algumas pessoas alegam que essas políticas são privilégios e ferem o princípio constitucional da igualdade.

Com essa inserção do inciso XIII no art. 5º da Constituição Estadual, fica demonstrado que as mulheres vítimas de violência precisam da proteção do Estado e Municípios e que as políticas públicas não são privilégios, mas um direito assegurado pela Lei maior do Estado. Um grande avanço à causa das mulheres que lutam por igualdade de direitos."

Veja também

Brasil registra 631 mortes por Covid-19 em 24 horas
Coronavírus

Brasil registra 631 mortes por Covid-19 em 24 horas

Pernambuco registra mais 1.100 casos e 39 mortes por Covid-19
Coronavírus

Pernambuco registra mais 1.100 casos e 39 mortes por Covid-19