Coreia do Norte pede que Seul abandone manobras com EUA

A demanda da Coreia do Norte ocorre poucos dias depois que Seul e Washington concordaram em atrasar suas manobras militares anuais até o fim dos Jogos Olímpicos de Inverno

Líder norte-coreano, Kim Jong-UnLíder norte-coreano, Kim Jong-Un - Foto: KCNA via KNS / AFP

O governo da Coreia do Norte pediu nesta quinta-feira (11) que a Coreia do Sul abandone as manobras militares com os Estados Unidos, já que considera que estas são "o fator principal" que alimenta a tensão na península coreana e que eleva o risco de guerra.

"Se as autoridades sul-coreanas realmente querem distensão e paz, devem parar todo tipo de ações militares", disse o principal jornal norte-coreano, Rodong Sinmun, em um artigo onde afirma que as manobras são o principal foco de tensão e levam a Coreia "para uma fase perigosa, onde a situação pode ser imprevisível".

Leia também:
Seul quer abordar o encontro de famílias nas conversas com Pyongyang
Coreias retomam comunicações militares

A petição norte-coreana é uma das reivindicações permanentes do regime a Seul e espera-se que retorne à mesa, quando os dois países retomarem as negociações militares sob o acordo alcançado durante a histórica reunião, na última terça-feira, e cujas datas devem ser anunciadas pela Coreia do Sul esta semana.

A demanda da Coreia do Norte ocorre poucos dias depois que Seul e Washington concordaram em atrasar suas manobras militares anuais até o fim dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, o pretexto que desencadeou um momento conciliador entre as duas Coreias.

"Antes de mais nada, devemos aliviar as graves tensões militares entre Norte e Sul e preparar um ambiente pacífico na península", disse o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no artigo do Rodong.

O jornal estatal norte-coreano afirma que "a tensão militar leva a um círculo vicioso de confronto" e insiste em que sua supressão "e a eliminação do risco de guerra na península coreana representam uma questão importante para a unificação das pessoas e reunificação do país", que precisam realizar sem intervenção.

Neste sentido, o jornal Rodong Sinmun ataca os Estados Unidos, assegurando que o país "está constantemente agravando" a situação com o objetivo de alcançar "sua ambição de supremacia mundial".

Veja também

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão
Mundo

Sobreviventes idosos fazem últimos apelos 75 anos após bombardeio atômico no Japão

Relaxar a quarentena cedo expõe as pessoas a riscos, dizem pesquisadores
Coronavírus

Relaxar a quarentena cedo expõe as pessoas a riscos, dizem pesquisadores