Damares anuncia auditoria em reparações a anistiados políticos

Ministra dos Direitos Humanos anunciou que negou 265 pedidos de reconhecimento de anistiados e fará averiguação

Ministra dos Direitos Humanos, Damares AlvesMinistra dos Direitos Humanos, Damares Alves - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A poucos dias da efeméride dos 55 anos do golpe militar, a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, anunciou que negou 265 pedidos de reconhecimento de anistiados políticos e que fará uma auditoria em reparações às vítimas de perseguições políticas concedidas nos governos passados.

O pente-fino será feito pela CGU (Controladoria-Geral da União), que analisará também os contratos e convênios feitos pela estrutura federal. Ao todo, há cerca de 12,6 mil processos que aguardam apreciação ou revisão da Comissão da Anistia, alguns deles há mais de dez anos.

Leia também:
Na ONU, Damares defende políticas para promoção da igualdade de gênero
Vamos ensinar os meninos a levar flores e abrir porta para as mulheres, diz Damares
'Menino veste azul e menina veste rosa', diz Damares Alves; veja vídeo

Desde o início deste ano, o órgão federal subordinado à pasta não realiza reuniões, à espera de mudanças prometidas pelo novo governo. Nesta terça-feira (26), a ministra dará posse aos novos conselheiros da estrutura ministerial e anunciará mudanças no regulamento interno.

Segundo relatos feitos à reportagem, entre as alterações, será determinado um período de quarentena de 24 meses para os integrantes que deixarem suas funções. O novo texto também reduzirá a possibilidade de recursos, permitindo que se recorra apenas uma vez às decisões da ministra sobre pedido de reparação.

A estimativa é de que, hoje, cerca de 3.000 processos estejam em fase de recurso, a maior parte deles relacionados a pedidos de militares e de participantes de greves.
No novo governo, a estrutura foi transferida do Ministério da Justiça para o Ministério dos Direitos Humanos. Os conselheiros são voluntários, sem remuneração. O órgão federal apenas banca os custos com transporte e hospedagem para as reuniões.

A pasta também quer que a Comissão da Anistia limite seu papel, a partir de agora, à análise dos pedidos, sem mais promover projetos de memória e reparação. Damares defende ainda que se estabeleça um prazo para que o órgão federal acabe. Não está ainda definido, porém, se um término será determinado.

Uma mudança nesse sentido só seria possível com uma aprovação pelo Congresso Nacional, já que levaria à mudança da lei atual. Para os representantes de anistiados, uma interrupção dos trabalhos seria uma punição para uma multidão estimada entre 5 mil e 10 mil pessoas que ainda não conhecem o próprio direito à reparação.

A Comissão de Anistia foi criada em 2001, pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com o objetivo de regulamentar artigo que estabeleceu a concessão de anistia aos brasileiros atingidos "em decorrência de motivação exclusivamente política por atos de exceção, institucionais ou complementares" desde 1946, incluindo a ditadura militar.

Em 18 anos, o governo federal pagou cerca de R$ 10 bilhões a anistiados. Há cinco tipos de reparação, uma delas em dinheiro. Os pagamentos podem ser de duas formas: uma única parcela, no valor máximo de R$ 100 mil, ou prestações mensais continuadas até a morte do anistiado e de seu cônjuge mais atrasados retroativos ao máximo de cinco anos.

Desde que foi criada, em 2001, a Comissão de Anistia analisou 66,3 mil casos, dos quais deferiu 39,3 mil e indeferiu 23,5 mil. Nos deferidos, estão incluídos reconhecimentos para efeito de contagem de aposentadoria no regime geral do INSS, que não envolvem pagamentos, e as reparações econômicas, que teriam atendido cerca de 25 mil pessoas.

Veja também

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria

Brasil registra 24.818 novos casos e 566 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
boletim

Brasil registra 24.818 novos casos e 566 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h