Desembargador proíbe associações militares de fazer assembleia sobre greve

Associações de policiais e bombeiros militares haviam realizado uma mobilização

Presidente da Alepe, o deputado Eriberto Medeiros (PP), nomeou o ex-deputado estadual Vinicius Labanca para ocupar a Superintendência ParlamentarPresidente da Alepe, o deputado Eriberto Medeiros (PP), nomeou o ex-deputado estadual Vinicius Labanca para ocupar a Superintendência Parlamentar - Foto: Divulgação

O desembargador José Fernandes Lemos, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), determinou que associações militares "se abstenham" de realizar assembleias para tratar sobre greve. A decisão, divulgada nesta quinta-feira (8), foi feita a pedido da Procuradoria Geral do Estado (PGE) após a mobilização de policiais e bombeiros na terça-feira (6), que haviam marcado novo encontro para discutir paralisação na sexta-feira (9).

Leia mais:
PM pode decidir por greve na terça-feira 
PMs e bombeiros suspendem paralisação mas fazem operação padrão


A decisão do desembargador é endereçada à Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados Policiais e Bombeiros Militares (ACS), à Associação de Praças dos Policiais e Bombeiros Militares de Pernambuco (Aspra-PE), à Associação de Bombeiros Militares de Pernambuco (ABM-PE) e à Associação dos Militares Estaduais (AME). O não cumprimento da decisão implicará incidência de multa de R$ 100 mil, além de outras sanções decorrentes de desobediência a ordem judicial.

A liminar de tutela de urgência de natureza antecipada em caráter antecedente foi expedida na noite de quarta-feira, atendendo a pedido apresentado pela PGE. Na decisão, o desembargador salienta que a paralisação dos serviços por parte de policiais militares, a incitação a isso ou a realização de reuniões com essa finalidade configuram diversos crimes militares.

Paralisação

Policiais e bombeiros militares haviam marcado para sexta-feira (9) uma assembleia para decidir se entram em greve. A possibilidade de que a paralisação começasse imediatamente, sem que esse prazo fosse dado, chegou a ser posta em votação durante assembleia da categoria na noite de terça-feira (6), mas não foi à frente depois que representantes conseguiram protocolar uma pauta de reivindicações no Palácio do Campo das Princesas.

De quarta (7) até sexta-feira, porém, os servidores decidiram aderir a uma operação-padrão e se comprometeram a não fazer mais plantões do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES), o que, além de deixar os serviços mais lentos, pode provocar defasagens no policiamento nas ruas e gerar atendimento apenas a ocorrências consideradas graves.

Veja também

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus
Saúde

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte
internacional

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte