Detenções, apreensão de drogas e polêmica após vasta operação militar no Rio

Uma nova polêmica ocorreu nesta sexta-feira devido ao "fichamento" de moradores. A lei "estabelece que nenhum cidadão seja submetido à identificação criminal se estiver portando a devida documentação civil

Operação com 3.200 militares e um número indeterminado de policiais no Rio de JaneiroOperação com 3.200 militares e um número indeterminado de policiais no Rio de Janeiro - Foto: Carl de Souza/AFP

Uma operação de 3.200 militares e um número indeterminado de policiais na violenta zona oeste do Rio de Janeiro permitiu nesta sexta-feira deter o suposto assassino de um sargento e apreender "uma grande quantidade de drogas". A operação nas comunidades de Vila Kennedy, Vila Aliança e Coreia foi realizada uma semana depois de o presidente Michel Temer decretar a intervenção na segurança do Rio de Janeiro, confiando aos militares a luta contra o crime organizado no estado.

Contudo, as ações desta sexta-feira fazem parte da operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que desde julho do ano passado enviou 8.500 militares ao estado para apoiar as forças policiais. Surgiu uma nova polêmica em torno à intervenção, depois que a Defensoria Pública do Rio denunciou que os militares estavam fotografando moradores das comunidades para verificar se tinham antecedentes.

A Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Kennedy informou que à tarde foi preso um suspeito da morte do sargento do Exército Bruno Albuquerque Cazuca, baleado na terça-feira passada, aparentemente ao resistir a um assalto. A Secretaria de Segurança do Rio (Seseg) indicou que ao longo do dia foram detidas outras 27 pessoas e apreendidas "duas pistolas, carregadores de armas, munições, 12 carros, 13 motos, oito radiotransmissores e grande quantidade de drogas".

Em uma rua na Vila Aliança, sobre a mesa de um posto da Polícia Militar, vários agentes contabilizavam de manhã o material apreendido: carregadores, maconha, cocaína e outras drogas, e duas bananas de dinamite, constatou a AFP.

Nova polêmica
A intervenção militar foi recebida pela população com a esperança de pôr fim à escalada de violência que assola o estado do Rio desde o fim dos Jogos Olímpicos de 2016, mas reaviva o fantasma da ditadura militar que governou o país de 1964 a 1985.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que os militares poderiam proceder, na procura de criminosos, a operações de busca e apreensão por zona, mas teve que moderar seus propósitos após as críticas procedentes de meios judiciais e de defensores dos direitos humanos.

Uma nova polêmica ocorreu nesta sexta-feira devido ao "fichamento" de moradores. A lei "estabelece que nenhum cidadão seja submetido à identificação criminal se estiver portando a devida documentação civil. Trata-se, portanto, de grave violação dos direito à intimidade e a liberdade de locomoção", apontou a Defensoria Pública do Rio em um comunicado.

Temer: "Não serei candidato"
Temer assegurou que o decreto não tem intenções eleitorais, a menos de oito meses das eleições presidenciais e legislativas. "Não serei candidato", reiterou. Seus adversários o acusam de ter desviado o foco da atenção pública para temas de segurança, diante da impossibilidade de fazer votar a reforma da previdência que, até a semana passada, era a principal bandeira de seu governo.

O dispositivo ficará completo com a criação, na semana que vem, de um Ministério Extraordinário de Segurança Pública. Segundo uma pesquisa solicitada pela Presidência, a intervenção do Rio tem mais de 83% de aprovação na população carioca, um percentual que contrasta com os escassos 5% de popularidade do presidente, que enfrenta várias investigações por corrupção.

A intervenção "é bem-vinda, mas não serve de nada se não vier com medidas sociais: emprego, saúde, educação, transporte, dignidade para o povo", declarou à AFP Jean-Philippe, morador da Vila Kennedy que trabalha como porteiro.

Vários moradores entrevistados pela AFP consideraram que a intervenção militar poderá servir para frear a corrupção na Polícia. "Os policiais fazem muitos negócios" nas comunidades, comentou um fiscal de ônibus da região, que preferiu manter o anonimato. Em junho, cerca de 100 policiais militares foram denunciados por cobrar propinas e até por venda de armas a traficantes.

Veja também

Sistema imune de mulheres responde melhor à Covid-19, aponta estudo
Coronavírus

Sistema imune de mulheres responde melhor à Covid-19, aponta estudo

Manifestação pela morte de homem negro em Porto Alegre termina em confronto com policiais
Rio Grande do Sul

Manifestação pela morte de homem negro em Porto Alegre termina em confronto com policiais