Disputa comercial entre EUA e China respinga nos mercados de câmbio

O presidente americano Donald Trump colocou mais lenha na fogueira no início de agosto

DólarDólar - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A disputa comercial entre os Estados Unidos e a China respingou nos mercados de câmbio nesta semana. Investidores dizem que isso pode piorar a retaliação olho por olho que prejudicou as relações entre as duas maiores economias do mundo.

O presidente americano Donald Trump colocou mais lenha na fogueira no início de agosto. Ele afirmou que seu país vai impor tarifas sobre quase todas as importações chinesas a partir de 1º de setembro. Trump acrescentou que a China não cumpriu o compromisso de adquirir produtos agropecuários dos Estados Unidos.

Segundo analistas, a resposta de Pequim, na segunda-feira, foi permitir que a moeda chinesa se desvalorizasse diante do dólar a um nível que não era visto há 11 anos. O yuan mais fraco torna as exportações chinesas mais baratas nos mercados estrangeiros.

Leia também:
Ministra teme que críticas a agrotóxicos gerem guerra comercial
Presidente dos Estados Unidos condena supremacia branca após ataques


Em Washington, o Departamento do Tesouro americano respondeu imediatamente chamando a China de manipuladora cambial.

Já o banco central chinês declarou que não agiu para desvalorizar o yuan. De acordo com o órgão, as ações do lado americano contra a China estão desestabilizando os mercados financeiros e a economia global.

A disputa prejudica o comércio com outros países, incluindo o Japão. Também está atraindo investidores até ativos menos arriscados, como, por exemplo, o iene. Com a valorização da moeda japonesa, produtos do país se tornam mais caros.

Agora, os investidores voltam suas atenções para as negociações comerciais de setembro entre Washington e Pequim, ao mesmo tempo que se preparam para mais agitação nos mercados.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo