Ditadura venezuelana libera Edgar Zambrano, vice de Guaidó, preso desde maio

A soltura de Zambrano foi um gesto para demonstrar que essas negociações poderiam continuar

Edgar Zambrano, vice de GuaidóEdgar Zambrano, vice de Guaidó - Foto: Matias Delacroix / AFP

O vice-presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Edgar Zambrano, que atuava como número dois de oposição venezuelana, foi libertado na noite desta terça-feira (17).

O anúncio da soltura foi feito pelo procurador-geral Tarek William Saab, que afirmou que os processos contra o opositor da ditadura seriam revistos. Zambrano foi detido no dia 8 de maio, na porta da sede de seu partido, o Ação Democrática.

Ele estava dentro de seu carro, que foi guinchado por agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência) depois que Zambrano se recusou a sair do veículo. Ele foi acusado de "traição à pátria" -no entanto, não houve audiências formais nem o início de um julgamento.

Leia também:
Guaidó pede a líderes do G7 que incluam crise da Venezuela na agenda
Guaidó anuncia que mecanismo de diálogo com Maduro 'se esgotou'

A ditadura apresentou a liberação de Zambrano como um "gesto de boa vontade", segundo o comunicado, após conversas com um setor minoritário da oposição.

Na segunda-feira (16), Nicolás Maduro pôs culpa nos opositores dos principais partidos -Vontade Popular, Justiça Primeiro, Venha Venezuela e Ação Democrática- por terem colocado um ponto final nas negociações mediadas pela Noruega.

Depois disso, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, iniciou um diálogo com partidos pequenos e pouco representativos da oposição, a quem os partidos grandes rejeitam, para dizer que as negociações continuavam.

A soltura de Zambrano foi um gesto para demonstrar que essas negociações poderiam continuar.

Guaidó, porém, afirmou, por meio das redes sociais, que "a soltura de Zambrano é uma vitória da pressão cidadã e internacional, após o informe de [Michele Bachelet, alta-comissária de direitos humanos da ONU], não foi uma gentileza por parte da ditadura. Dizemos hoje: Zambrano jamais deveria ter estado atrás das grades".

Em transmissão oficial na TV estatal, Maduro disse que o "governo está de portas abertas para continuar as negociações de Oslo", o que contradiz com ação a tomada há algumas semanas, quando seus enviados deixaram a mesa de negociações.

Zambrano, apesar de ser civil, estava preso numa base militar, a do Forte Tiuna, e passou quatro meses incomunicável, sem poder sequer receber visitas de familiares.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo