Em meio a protestos e mortes, presidente da Nicarágua diz que não renunciará

Segundo o Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos, a onda de protestos iniciada em 18 de abril já deixou 292 mortos, incluindo 20 policiais e 30 paramilitares ligados ao governo.

Ortega, presidente da NicaráguaOrtega, presidente da Nicarágua - Foto: Marvin Recinos/ AFP

Daniel Ortega declarou nesta segunda-feira (23) que não renunciará à presidência da Nicarágua e que concluirá seu mandato em 2021, rejeitando os apelos da oposição para entregar o poder como forma de superar a grave crise que assola o país. "Nosso mandato termina em 2021, quando teremos as próximas eleições", disse Ortega em entrevista à rede de televisão americana Fox News, negando a proposta da oposição de antecipar a votação.

"Antecipar as eleições criaria instabilidade, insegurança e pioraria as coisas", declarou Ortega, 72 anos, à Fox.

O presidente, que já governou a Nicarágua durante o total de 22 anos desde a revolução sandinista que provocou, em 1979, a queda do ditador Anastasio Somoza, garantiu que a onda de protestos iniciada em abril já terminou. "Já se passou uma semana desde o final dos distúrbios. As coisas estão voltando ao normal no país", disse o antigo guerrilheiro, admitindo que os protestos pacíficos prosseguem.

Leia também:
Estudante pernambucana morre após ter carro metralhado na Nicarágua
Danos em igreja revelam violência da repressão na Nicarágua


Por ocasião do Dia do Estudante, milhares de pessoas participaram de uma passeata aos gritos de "Liberdade para os Presos", "Justiça" e "Autonomia" universitária que terminou diante da Universidade Centro-Americana (UCA). Os universitários carregaram cruzes em suas mochilas para recordar os mortos durante a onda de protestos, e fotos de seus companheiros detidos de forma "arbitrária" por participar das manifestações.

Já a União Nacional dos Estudantes da Nicarágua (UNEN), ligada ao governo, realizou outra passeata, em apoio a Ortega e para defender punição aos responsáveis pela "tentativa de golpe de Estado".

Nesta segunda-feira, organismos de direitos humanos denunciaram a captura de centenas de pessoas de forma arbitrária", apenas por sua participação nos protestos contra Ortega.

Trabalhadores, estudantes e famílias inteiras são vítimas de perseguição, captura ou sequestro por participar das marchas opositoras ou ter um gesto humanitário com os que rejeitam o governo, segundo o Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos (Cenidh).

Entre os detidos estão a líder do Movimento Estudantil de Masaya, Cristian Fajardo, e a universitária Valeska Sandoval, que se refugiou na Igreja Divina Misericórdia de Manágua durante o ataque de paramilitares à Universidade Nacional Autônoma da Nicarágua (UNAN) em 14 de julho.

A diretora Executiva do Cenidh, Marlin Sierra, disse que o número de detidos é incerto porque muitos são presos e depois soltos, mas ocorrem outras detenções. Segundo o Cenidh, a onda de protestos iniciada em 18 de abril já deixou 292 mortos, incluindo 20 policiais e 30 paramilitares ligados ao governo.

A Comissão Permanente de Direitos Humanos (CPDH) recebeu denúncias de familiares de 150 pessoas capturadas e de um número semelhante de "sequestrados". A Associação Nicaraguense Pró-Direitos Humanos (ANPDH) recebeu denúncias sobre cerca de 700 detidos.

"Imploramos em nome de Deus que se detenha a caça destes jovens (...). Não é possível criminalizar o povo por protestar e tratá-lo como terrorista", disse em sua homilia de domingo o arcebispo auxiliar de Manágua, Silvio Báez.

Em meio à onda de protestos contra o governo, o Parlamento controlado por Ortega aprovou na semana passada uma polêmica lei que pune com entre 15 e 20 anos de prisão os envolvidos em atividades contra o governo.

O secretário da ANPDH, Álvaro Leiva, qualificou as detenções de "caça de jovens" por participar ou apoiar os protestos (...) ou se expressar contra o governo nas redes sociais. Leiva considerou as detenções como "sequestros" porque os paramilitares não têm base legal para este tipo de ação.

Veja também

Vigilância Sanitária interdita restaurante oriental na Boa Vista
Fiscalização

Vigilância Sanitária interdita restaurante oriental na Boa Vista

Fernando de Noronha identifica mais três casos da Covid-19
Coronavírus

Fernando de Noronha identifica mais três casos da Covid-19