Entrada de venezuelanos impacta sistema de saúde de Roraima, aponta levantamento

A busca por atendimento médico é justamente uma das razões apontadas por grande parte dos venezuelanos para vir para o Brasil

Centro de Boa Vista, capital de RoraimaCentro de Boa Vista, capital de Roraima - Foto: Reprodução/internet

A grande quantidade de venezuelanos que entra no Brasil fugindo da crise política e econômica do país vizinho tem impactado os serviços de saúde em Roraima, segundo relatório divulgado nesta terça-feira (18) pela organização não governamental (ONG) Human Rights Watch. A partir de dados oficiais, a organização caculou que 12 mil pessoas vindas da Venezuela entraram no país desde 2014, sendo que 7,1 mil somente nos 11 primeiros meses de 2016.

Nos principais hospitais de Roraima, o documento indica que é cada vez maior o número de pacientes vindos do país vizinho. No hospital de Pacaraima, cidade fronteiriça, as informações coletadas pela ONG apontam que 80% dos atendidos são venezuelanos. “ Alguns insumos médicos essenciais, como gaze, soros intravenosos, seringas e medicamentos básicos, como paracetamol para crianças, estão com estoque criticamente baixo”, diz o estudo. A busca por atendimento médico é justamente uma das razões apontadas por grande parte dos 65 venezuelanos entrevistados para vir para o Brasil.

No Hospital Geral de Roraima, na capital Boa Vista, principal equipamento de saúde do estado, foram atendidos 7,6 mil venezuelanos de janiero a dezembro de 2016. “Profissionais de saúde brasileiros afirmaram que os venezuelanos costumam chegar aos hospitais em condições mais graves do que os brasileiros, já que não receberam o tratamento adequado no país de origem”, enfatiza o documento sobre as complicações decorrentes de doenças como HIV, tuberculose e malária. O índice de hospitalização dos brasileiros recebidos no hospital geral é de 7%, enquanto o percentual chega a 20% entre os venezuelanos.

Impacto regional

Outros países da região também têm registrado um aumento significativo de imigrantes da Venezuela. Na Argentina, o número de concessôes de residência temporária para venezuelanos aumentou de 1.777, em 2014, para 4.707, em 2015. No Chile, foram concedidos 1.463 vistos em 2013 e 8.381 em 2015. No Peru, foram registrados 180 venezuelanos em 2013, 1.445 em 2015 e 1.543 em 2016.

Além do crescimento das entradas no Brasil, subiu expressivamente o número de pedidos de refúgio para venezuelanos, chegando a 2.595 nos 11 primeiros meses de 2016, contra 54 em 2013.

Crise humanitária

A Human Rights defende que o governo da Venezuela, comandado por Nicolas Maduro, reconheça a situação de crise humanitária e aceita ajuda internacional. “Primeiro, um reconhecimento que ele está vivenciando uma crise de forma transparente abre o país para ajuda humanitária internacional, de agências da própria ONU [Organização das Nações Unidas]”, destacou a diretora da ONG no Brasil, Maria Laura Canineu.

De acordo com o pesquisador da organização, César Muñoz, que conduziu o trabalho em campo, apesar do desabastecimento de remédios e alimentos no país vizinho, os entraves burocráticos ainda dificultam a chegada desses produtos. “É difícil para qualquer um enviar medicamentos para a Venezuela. Todos nós sabemos da situação dramática dentro da Venezuela e ainda assim os obstáculos burocráticos são enormes”, acrescentou.

Para Maria Laura, o Brasil e outros países devem fazer pressão para que a Venezuela aceite ajuda internacional de modo a minimizar o impacto dos problemas econômicos e da crise política sobre a população. “A única maneir de resolver o problema é ter uma pressão internacional. Já houve indícios de que a pressão internacional pode minimizar os prejuízos à população dentro da Venezuela, que está sofrendo desde o início dessa crise”,

Veja também

Brasil atua para 'desfazer opiniões distorcidas' sobre preservação ambiental, diz Bolsonaro
Meio Ambiente

Brasil atua para 'desfazer opiniões distorcidas' sobre preservação ambiental, diz Bolsonaro

Pandemia derruba produção de petróleo em maio
Petróleo

Pandemia derruba produção de petróleo em maio